Vírus da Covid-19
Reprodução/FreePic
Vírus da Covid-19

O ministro da Saúde de Israel, Nitzan Horowitz, revelou nesta terça-feira (30), que há indícios de que os indivíduos totalmente vacinados contra a Covid-19 dentro de seis meses e com o reforço também estão protegidos contra a variante Ômicron .

“Nos próximos dias teremos informações mais precisas sobre a eficácia da vacina contra o Ômicron, mas já há espaço para otimismo, e há indícios iniciais de que quem for vacinado com uma vacina ainda válida ou com reforço também será protegido desta variante”, disse Horowitz.

Israel já conta com quatro casos da variante Ômicron no país. “A vacina é realmente crucial agora”, disse Horowitz. “Qualquer pessoa que for exposta à variante sem uma vacina se colocará em risco desnecessário", acrescentou o ministro.

O chefe dos Serviços de Saúde Pública, Dr. Sharon Alroy-Preis, afirmou que os primeiros dados sobre a eficácia das vacinas contra o Ômicron devem ser compartilhados com Israel pela África do Sul ainda nesta terça-feira. No entanto, o ministério ainda não havia recebido a informação até o momento.

“A maior preocupação para nós é a disseminação muito rápida dessa variante na África do Sul”, disse Alroy-Preis ao Comitê de Relações Exteriores do Knesset, descrevendo como os casos diários aumentaram de 200 casos para 2.000 casos em 10 dias.

Leia Também

“Pelo que ouvimos, os vacinados não apresentam sintomas significativos, é uma doença leve, mas por enquanto isso é uma informação preliminar”, explicou o chefe da Saúde.

Alroy-Preis faz referência aos dois cardiologistas israelenses que testaram positivo para a Covid-19 infectados pela variante Ômicron na última semana. O hospital local Sheba Medical Center afirmou que os dois médicos, um de 50 anos e outro de 70, apresentam sintomas muito leves e ambos foram vacinados com três doses da vacina Pfizer.

No município de Soroka, Horowitz afirmou que a situação em Israel está sob controle e não há necessidade de pânico. “Não fecharemos o país e manteremos a vida o mais normal possível”, observou.

“Atualmente não há intenção de impor restrições à vida em Israel, e faremos todo o possível para garantir que isso continue", finalizou o ministro da Saúde.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários