OMS reclassifica Síndrome de Burnout e a coloca em nova categoria
shutterstock
OMS reclassifica Síndrome de Burnout e a coloca em nova categoria

A Organização Mundial da Saúde (OMS) mudou a classificação da  Síndrome de Burnout e a colocou como doença ocupacional. A partir do dia 1 de janeiro de 2022, essa nova classificação vai passar a valer.

E o que isso significa? Com isso, o Burnout passa a ser tratado de forma diferentes. A síndrome será oficializada como "estresse crônico de trabalho que não foi administrado com sucesso". Na classificação antiga, ela era considera ainda como um problema na saúde mental e um quadro psiquiátrico. 

Além do Burnout, a OMS também inclui na lista de doenças o estresse pós-traumático, distúrbio em games e resistência antimicrobiana. 

Em 2019, a OMS classificou a Síndrome de Burnout como um fenômeno ligado ao trabalho e descreveu seus sintomas como: 

  • sensação de esgotamento 
  • cinismo ou sentimentos negativos relacionados a seu trabalho 
  • eficácia profissional reduzida  

A alteração de classificação aconteceu em uma conferência da organização em 2019, mas o documento entra em vigor a partir do próximo ano. Para alterar o documento, a OMS analisa estatísticas e tendências da saúde. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários