Vírus da COVID
tawatchai07 / Freepik
Vírus da COVID

Desde o início da pandemia, a  Covid-19 parecia ter como alvo pessoas que carregavam quilos extras. Pacientes com sobrepeso ou obesos tinham maior probabilidade de desenvolver a forma grave da doença e maior probabilidade de morrer.

Embora esses pacientes frequentemente tenham problemas de saúde como diabetes, que aumenta o risco, os cientistas estão cada vez mais convencidos de que sua vulnerabilidade tem algo a ver com a própria obesidade.

Agora, os pesquisadores descobriram que o coronavírus infecta as células de gordura e células do sistema imunológico dentro da gordura corporal, causando uma resposta de defesa prejudicial ao organismo.

"O resultado final é, 'Oh meu Deus, de fato, o vírus pode infectar células de gordura diretamente’ ", diz Philipp Scherer, um cientista que estuda células de gordura no UT Southwestern Medical Center em Dallas, e que não esteve envolvido na pesquisa. "O que quer que aconteça na gordura não permanece na gordura. Afeta também os tecidos vizinhos", acrescenta Scherer.

A pesquisa ainda não foi revisada por pares ou publicada em um jornal científico, mas foi postada online em outubro. Se as descobertas se confirmarem, podem esclarecer não apenas por que os pacientes com quilos em excesso são vulneráveis ao vírus, mas também por que certos adultos jovens sem outros fatores de risco ficam tão doentes.

Os autores seniores do estudo, Tracey McLaughlin e Catherine Blish da Escola de Medicina da Universidade de Stanford, sugeriram que as evidências poderiam apontar para novos tratamentos da Covid que visam a gordura corporal.

"Talvez seja o calcanhar de Aquiles que o vírus utiliza para escapar de nossas respostas imunológicas protetoras: escondendo-se neste lugar", afirma Vishwa Deep Dixit, professora de medicina comparativa e imunologia da Escola de Medicina de Yale.

A descoberta é particularmente relevante para os Estados Unidos, que tem uma das maiores taxas de obesidade do mundo. A maioria dos adultos americanos está acima do peso e 42% têm obesidade. Os negros, hispânicos, americanos nativos e nativos do Alasca nos EUA têm taxas de obesidade mais altas do que os adultos brancos e asiáticos; eles também foram desproporcionalmente afetados pela pandemia, com taxas de mortalidade quase o dobro das dos americanos brancos.

"Isso pode estar contribuindo para doenças graves", disse Blish. "Estamos vendo as mesmas citocinas inflamatórias que vejo no sangue de pacientes realmente doentes sendo produzidas em resposta à infecção desses tecidos", completou.

A gordura corporal costumava ser considerada inerte, uma forma de armazenamento. Mas os cientistas agora sabem que o tecido é biologicamente ativo, produzindo hormônios e proteínas do sistema imunológico que agem em outras células, promovendo um estado de inflamação persistente de baixo grau, mesmo quando não há infecção.

A inflamação é a resposta do corpo a um invasor e, às vezes, pode ser tão vigorosa que é mais prejudicial do que a infecção que a desencadeou.

"Quanto mais massa gorda, e em particular massa gorda visceral, pior sua resposta inflamatória", disse McLaughlin, referindo-se à gordura abdominal que envolve os órgãos internos.

Leia Também

O tecido adiposo é composto principalmente por células de gordura ou adipócitos. Ele também contém pré-adipócitos, que amadurecem em células de gordura, e uma variedade de células do sistema imunológico, incluindo um tipo chamado macrófagos de tecido adiposo.

McLaughlin, Blish e seus colegas realizaram experimentos para ver se o tecido adiposo obtido de pacientes de cirurgia bariátrica poderia ser infectado com o coronavírus e rastrearam como vários tipos de células respondiam.

As próprias células de gordura podem ser infectadas, descobriram os cientistas, mas não ficam muito inflamadas. Mas certas células imunológicas chamadas macrófagos também podem ser infectadas e desenvolveram uma resposta inflamatória robusta. Ainda mais estranho, os pré-adipócitos não foram infectados, mas contribuíram para a resposta inflamatória. (Os cientistas não examinaram se determinadas variantes eram mais destrutivas a esse respeito do que outras.)

A ideia de que o tecido adiposo pode servir como reservatório para patógenos não é nova, disse Dixit. A gordura corporal é conhecida por abrigar vários deles, incluindo HIV e o vírus influenza.

O coronavírus parece ser capaz de escapar das defesas imunológicas da gordura corporal, que são limitadas e incapazes de combatê-lo com eficácia. E em pessoas obesas, pode haver muita gordura corporal.

Um homem cujo peso ideal é 77 kg, mas que pesa 113 kg, carrega uma quantidade substancial de gordura na qual o vírus pode “se espalhar”, se replicar e desencadear uma resposta destrutiva do sistema imunológico, explica David Kass, professor de cardiologia em Johns Hopkins.

"Se você realmente é muito obeso, a gordura é o maior órgão do seu corpo",  disse Kass.

O coronavírus “pode infectar esse tecido e realmente residir lá”, disse ele.

"Se machuca, mata ou, na melhor das hipóteses, é um lugar para se amplificar — não importa. Torna-se uma espécie de reservatório".

À medida que a resposta inflamatória aumenta, as citocinas desencadeiam ainda mais inflamação e a liberação de citocinas adicionais. É uma tempestade perfeita.

Blish e seus colegas acreditam que o corpo infectado pode até contribuir para a Covid longa, quando sintomas incômodos, como fadiga, persistem por semanas ou meses após a recuperação da infecção aguda.

Os dados também sugerem que as vacinas e tratamentos da Covid podem precisar levar em consideração o peso do paciente e os estoques de gordura.

"Este documento é mais um alerta para a profissão médica e a saúde pública olharem mais profundamente para as questões de indivíduos com sobrepeso e obesidade, e os tratamentos e vacinas que estamos administrando a eles", disse Barry Popkin, professor de nutrição na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, que estudou o risco elevado que Covid representa para pessoas com obesidade.

"Continuamos documentando o risco que eles correm, mas ainda não estamos tratando deles".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários