Doença de Parkinson: perda auditiva pode ser sintoma precoce
Getty Images
Doença de Parkinson: perda auditiva pode ser sintoma precoce

Pesquisadores da Universidade Queen Mary, de Londres, no Reino Unido, descobriram que a perda auditiva e a epilepsia podem ser sinais precoces para a doença de Parkinson, fatores que até então não eram ligados ao diagnóstico.

O estudo, mais amplo já realizado no país sobre o tema, foi publicado na revista científica JAMA Neurology nesta segunda-feira, e também concluiu que sinais mais conhecidos do distúrbio, como tremores nas mãos e problemas de memória, podem aparecer até uma década antes do diagnóstico.

O trabalho analisou os dados médicos de mais de um milhão de pessoas para entender como a doença de Parkinson pode se manifestar antes mesmo do aparecimento de sinais mais severos, que normalmente levam o paciente a buscar um diagnóstico. Segundo os pesquisadores, o objetivo era que o estudo fosse o mais diverso possível para que não houvesse a sub-representação de determinados grupos.

Os registros eletrônicos de saúde de mais de um milhão de participantes foram, então, analisados, sendo 1.055 de pacientes com a doença de Parkinson e 1.009.523 de pessoas sem o distúrbio que foram incluídas a fim de comparação.

Os dados analisados foram de moradores da região Leste de Londres, uma área considerada mais diversa pelos responsáveis pelo estudo, que utilizaram o atendimento primário de saúde da cidade entre 1990 e 2018. Os pesquisadores levaram um ano para analisar todas as informações e identificaram uma série de sintomas que surgiram até uma década antes dos diagnósticos. Os mais proeminentes foram os já conhecidos tremores nas mãos, até 10 anos antes, e problemas relacionados à memória, até cinco anos antes.

Leia Também

No entanto, o mais revelador no trabalho foi a alta incidência de casos de perda auditiva e epilepsia em pacientes que futuramente foram diagnosticados com a doença, sintomas que até então não eram ligados ao diagnóstico de Parkinson.

"Nossos resultados revelaram novos fatores de risco e sintomas precoces, a epilepsia e a perda auditiva. É importante que os profissionais do atendimento primário de saúde estejam cientes dessas ligações e entendam o quão cedo os sintomas de Parkinson podem aparecer, para que os pacientes possam obter um diagnóstico o quanto antes e os médicos possam agir cedo para ajudar a controlar a condição", disse a autora principal do estudo, Cristina Simonet, neurologista e doutoranda da Universidade Queen Mary, em comunicado.


O estudo também identificou que os pacientes com doença de Parkinson eram, em sua maioria, mais velhos que os do grupo de controle, com em média 73 anos contra 40 dos demais participantes.

Além disso, aqueles com o diagnóstico eram majoritariamente homens, sendo 60% do total analisado, enquanto nos demais esse percentual era de, em média, 51%. No mundo, a doença afeta cerca de 10 milhões de pessoas, sendo 200 mil, em média, no Brasil. Depois da doença de Alzheimer, é o segundo distúrbio neurológico mais comum.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários