Anticoncepcional masculino: cientistas anunciam pílula com 99% de eficácia em animais
shutterstock
Anticoncepcional masculino: cientistas anunciam pílula com 99% de eficácia em animais

Nesta quarta-feira, uma equipe de cientistas anunciou ter desenvolvido uma pílula anticoncepcional masculina que demonstrou ser 99% eficaz em camundongos, um avanço aguardado há anos na medicina. As pesquisas com o medicamento em humanos, que não teve efeitos colaterais nos animais, devem começar ainda neste ano, e os responsáveis acreditam que a pílula pode estar disponível no mercado até 2027.

As descobertas sobre o novo contraceptivo serão apresentadas durante a reunião de primavera da American Chemical Society e representam um marco na oferta de métodos de controle de natalidade para o público masculino. Desde que a pílula anticoncepcional para mulheres foi aprovada, na década de 1960, utilizada hoje por mais de 214 milhões de mulheres no mundo, os pesquisadores têm trabalhado em busca de um equivalente masculino.

"Vários estudos mostram que os homens estão interessados em compartilhar a responsabilidade contraceptiva com suas parceiras", afirmou o doutor Abdullah Al Noman, graduado da Universidade de Minnesota, responsável por apresentar a pesquisa.

Mas, até agora, apenas preservativos e a vasectomia estão entre os métodos eficazes disponíveis para os homens.

Como funciona a pílula

No caso das mulheres, a pílula feminina usa hormônios que alteram o ciclo menstrual, uma combinação do estrogênio e da progesterona. Seguindo a mesma lógica, os esforços para desenvolver a versão masculina costumavam se concentrar no hormônio da testosterona.

O problema com essa abordagem, no entanto, é que ela apresentou efeitos colaterais graves nos testes, como ganho de peso, depressão e aumento dos níveis de colesterol de lipoproteína de baixa densidade (LDL), o que consequentemente aumenta o risco de doença cardíaca, além de baixa efetividade. Uma pílula que funcionaria com esse mecanismo para os homens, o DMAU, enfrenta dificuldades em avançar nos testes justamente por esses motivos.

O novo modelo, por outro lado, utiliza um método não hormonal, concentrado em uma proteína chamada receptor de ácido retinoico RAR-alfa. Isso porque o ácido retinoico desempenha um papel importante no crescimento celular, na formação de espermatozoides e no desenvolvimento embrionário. Mas, ele precisa interagir com o RAR-alfa para desenvolver essas funções, e os experimentos de laboratório mostraram que camundongos sem o gene criado pelo receptor RAR-alfa são estéreis.

Leia Também

Os cientistas desenvolveram então um composto chamado YCT529 que bloqueia a ação do RAR-alfa. Ele foi projetado para atuar especificamente com o receptor RAR-alfa, e não com outros receptores relacionados, como RAR-beta e RAR-gama, a fim de evitar ao máximo possíveis efeitos colaterais.

Os testes em animais foram um sucesso. Quando administrado oralmente a camundongos por quatro semanas, o YCT529 reduziu drasticamente a contagem de espermatozoides do animal e foi 99% eficaz na prevenção da gravidez sem efeitos adversos observáveis. Após a interrupção do medicamento, os camundongos levaram entre 4 e 6 semanas para recuperar a fertilidade.

A equipe de pesquisa, que recebeu financiamento de Institutos Nacionais de Saúde e da Iniciativa de Contracepção Masculina, trabalha com uma empresa chamada YourChoice Therapeutics para iniciar testes em humanos no terceiro ou quarto trimestre de 2022.

"Estou otimista de que avançaremos rapidamente. Não há garantia de que funcionará, mas seria realmente surpreendente se não observássemos esse efeito em humanos também", disse a professora Gunda Georg, uma das responsáveis pelo estudo, que acredita que seu medicamento poderá ser comercializado em até 5 anos.

No Brasil, pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (UNESP), de Botucatu, também descobriram uma forma de desenvolver o que pode vir a ser o primeiro anticoncepcional masculino. Publicado recentemente na revista Molecular Human Reproduction, um estudo apontou que, a partir de uma proteína chamada EPPIN, descoberta há duas décadas e com papel no controle da movimentação dos espermatozoides, é possível a criação de medicamentos que impactem a fertilidade do homem.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

* Com informações de agências internacionais

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários