Petrópolis após chuvas de fevereiro
Fernando Frazão/Agência Brasil
Petrópolis após chuvas de fevereiro

Após a tragédia causada pelas fortes chuvas em Petrópolis em fevereiro, o número de casos de leptospirose, doença bacteriana associada ao contato com água contaminada, disparou na cidade, informa a Secretaria estadual de Saúde (SES). Nos três primeiros meses do ano, o município registrou 99 casos prováveis da doença; no mesmo período do ano passado, foram apenas três notificações.

Com os temporais dos últimos dias, ocorridos em vários pontos do estado, a pasta alerta para a possibilidade de novos casos de leptospirose, cuja incidência aumenta após enchentes e alagamentos. O objetivo do alerta é evitar casos graves e mortes provocados pela doença. Pessoas que tiveram contato com a água ou lama de enchentes e que apresentarem febre associada a dores de cabeça ou a dores musculares devem procurar uma unidade de saúde, reforça a SES.

"É muito importante que a população procure imediatamente um médico caso apresente sintomas compatíveis com a doença. Os serviços de saúde também devem atentar para a inserção da leptospirose na suspeição clínica e diagnóstico diferencial de casos suspeitos de dengue e chikungunya. Historicamente, a notificação de leptospirose aumenta em períodos de chuva", diz o secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe, em nota enviada à imprensa.

Dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), do Ministério da Saúde, apontam que, no período de 2012 a 2021, foi registrada uma média 234 casos prováveis de leptospirose por ano no estado. Em 2011, com a ocorrência de chuvas fortes e enchentes no estado do Rio de Janeiro, foram notificados 704 casos prováveis da doença e 35 óbitos.

Leia Também

A leptospirose é uma doença causada pela bactéria Leptospira, se hospeda em alguns animais, principalmente ratos e outros roedores. A infecção acontece pela exposição direta ou indireta à urina desses animais. A bactéria invade o organismo através de pequenas feridas na pele, nas mucosas ou em membros que ficam imersos em água contaminada.

Trata-se de uma doença infecciosa febril aguda, que, embora se manifeste de forma branda em algumas pessoas, pode causar quadros graves. A primeira fase dos sintomas dura cerca de 3 a 7 dias e geralmente se caracteriza pelo aparecimento repentino de febre, acompanhado de dor de cabeça, dor muscular, anorexia, náuseas e vômitos, o que dificulta o diagnóstico diferencial de outras doenças que se manifestam de maneira parecida, como a dengue. Na última fase dos sintomas, a depender da gravidade do quadro, o paciente poderá apresentar icterícia (a cor da pele fica amarelada), insuficiência renal e hemorragia, mais comumente pulmonar.

Cuidados preventivos contra a leptospirose

  • Evite o contato com água ou lama de enchentes ou esgotos. Impeça que crianças nadem ou brinquem nesses locais, que podem estar contaminados pela urina dos ratos.
  • Após a água baixar, para retirar a lama e desinfetar o local proteja-se com botas e luvas de borracha, evitando assim o contato da pele com água e lama contaminadas. Sacos plásticos duplos também podem ser amarrados nas mãos e nos pés.
  • Para desinfectar a área atingida pela lama ou água da enchente, lave pisos, paredes e bancadas com água sanitária, na proporção de 2 xícaras de chá (400ml) do produto para um balde de 20 litros de água, deixando agir por 15 minutos.
  • Tenha cuidado com os alimentos que tiveram contato com água de enchente. Alguns devem ser jogados fora, outros precisam de tratamento especial nestas situações.
  • Mantenha os terrenos baldios e as margens de córregos limpos e capinados. Evite entulhos e acúmulo de objetos nos quintais e nas telhas.
  • Limpe a caixa d’água regularmente.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários