Campanha de vacinação em São Paulo vai aplicar doses em crianças e adultos não vacinados
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Campanha de vacinação em São Paulo vai aplicar doses em crianças e adultos não vacinados

Na última semana, a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo (SES) confirmou um caso e informou que investigava outros 25 possíveis diagnósticos de sarampo. Em todo o estado, apenas 75% das crianças, público-alvo das campanhas, haviam sido imunizadas em 2021 para a doença - a meta era 95%.

O caso do bebê ainda não vacinado e chamado autóctone, quando a contaminação é local, está localizado no litoral. Dos suspeitos, no entanto, 22 estão na capital. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), 83% das crianças receberam a primeira dose da vacina, o que abre brecha para vírus circular.

"Temos pessoas suscetíveis na cidade. E se, por ventura, o vírus encontrar essa brecha, há um risco de surto. Por isso a importância da vacinação", explica Melissa Palmieri, médica da Divisão de Vigilância Epidemiológica (DVE), da SMS.

Para diminuir essas brechas, a cidade concentra seus esforços desde o último dia 4 de abril em uma campanha que vai buscar crianças de seis meses a cinco anos; profissionais da saúde ou adultos que nasceram a partir de 1960 e não receberam a dose do imunizante.

Melissa alerta que no Brasil, as pessoas tendem a procurar mais pela vacinação quando um surto se aproxima. A cidade bateu a meta de cobertura em crianças apenas em 2014, 2015 e 2019, quando houve uma explosão de casos.

"É o que eu chamo de 'bombeiro'. As pessoas correm para os postos quando está 'pegando fogo'. Com as vacinas, no entanto, é preciso ter um comportamento preventivo. Ela é o seguro que a gente faz para evitar hospitalizações, mas as pessoas acabam se deixando mover apenas pela percepção de risco e medo. Podemos ver isso com a vacina para covid-19, muitos não tomam a dose de reforço porque já tomaram as duas primeiras ou tiveram a doença. É um conceito equivocado", afirma ela, citando também a onda de desinformação sobre vacinas que tomou conta das redes sociais durante a pandemia.

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Leia Também

"Infelizmente vimos pessoas que não são da área falando inverdades, fake news, sobre as vacinas, o que pode impactar no comportamento das pessoas. Elas disseminam medo por interesses políticos, religiosos, financeiros ou outros, e a população passa a questionar o que nem deveria ser mais questionado, como a segurança e a efetividade das vacinas", pontua.

A infectologista Cristiana Meireles, pediatra e coordenadora médica na Beep Saúde, também responsabiliza a desinformação e a falsa sensação de segurança como responsáveis pela baixa procura.

"Os motivos que levam à baixa cobertura vacinal são vários, incluindo fake news, falsa sensação de que a doença não existe mais, dificuldade de acesso às salas de vacinação (horário comercial, distância), falta de informação sobre o calendário vacinal, etc", diz.

"O sarampo é uma doença infecciosa altamente contagiosa, havendo o risco de o vírus atingir uma grande parcela da população suscetível (não vacinada) caso as taxas de cobertura vacinal se mantenham em níveis tão baixos. Em crianças pequenas e adultos imunossuprimidos, principalmente, é possível uma evolução desfavorável com risco de sequelas graves e morte", afirma.

Segundo Melissa, o município está fazendo busca ativa das crianças não vacinadas assim como fez na vacinação contra covid-19, e espera bater a meta de cobertura da imunização. Familiares e pessoas que tiveram contato com o caso confirmado estão passando por um procedimento de acompanhamento e rastreio, para detecção de eventuais novos casos.

** Filha da periferia que nasceu para contar histórias. Denise Bonfim é jornalista e apaixonada por futebol. No iG, escreve sobre saúde, política e cotidiano.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários