aNeste mês também já são 3.807 novos óbitos pela doença, número 60% maior que o total de vítimas fatais dos três primeiros meses de circulação da Covid-19
Foto: Pixabay
Neste mês também já são 3.807 novos óbitos pela doença, número 60% maior que o total de vítimas fatais dos três primeiros meses de circulação da Covid-19

O total de novos casos de Covid-19 registrados em dezembro é seis vezes maior do que em comparação à soma dos três primeiros meses da pandemia no estado de São Paulo. No mês de dezembro já são 186 mil novos casos, contra 28,6 mil de fevereiro a abril; número de óbitos é 60% maior comparando os mesmos períodos

As taxas de ocupação dos leitos de UTI são de 65,5% na Grande São Paulo e 61,1% no estado. O número de pacientes internados é de 10.873, sendo 5.993 em enfermaria e 4.880 em unidades de terapia intensiva, conforme dados das 11h desta segunda-feira.

Perfil da mortalidade

Entre as vítimas fatais estão 26.400 (57,5%) homens e 19.502 (42,5%) mulheres. Os óbitos permanecem concentrados em pacientes com 60 anos ou mais, totalizando 76,8% das mortes.

Observando faixas etárias, nota-se que a mortalidade é maior entre 70 e 79 anos (11.911), seguida pelas faixas de 60 a 69 anos (10.839) e 80 e 89 anos (9.431). Entre as demais faixas estão os: menores de 10 anos (53), 10 a 19 anos (77), 20 a 29 anos (363), 30 a 39 anos (1.295), 40 a 49 anos (2.955), 50 a 59 anos (5.887) e maiores de 90 anos (3.091).

Os principais fatores de risco associados à mortalidade são cardiopatia (59,9% dos óbitos), diabetes mellitus (43,3%), doenças neurológicas (10,8%), renal (9,3%), obesidade (8,6%) e pneumopatia (8,3%). Outros fatores identificados são imunodepressão (5,5%), asma (3,1%), doenças hepáticas (2%) e hematológica (1,7%), Síndrome de Down (0,4%), puerpério (0,1%) e gestação (0,1%). Esses fatores de risco foram identificados em 36.857 pessoas que faleceram por COVID-19 (80,3%).

Nesta terça-feira (29) o governo paulista divulgou uma carta assinada pelo Centro de Contingência do Coronavírus com orientações de especialistas quanto aos cuidados que devem ser tomados para evitar a disseminação do vírus em meio a novo crescimento da pandemia.

"Boa parte das pessoas que transmitem o coronavírus é assintomática, por isso festas, encontros sociais e aglomerações devem ser evitados neste momento. A ação consciente de todos neste período do ano é parte vital na contenção da propagação do vírus", defendem os especialistas, em trecho do documento divulgado.

Os especialistas também destacam a importância das medidas de proteção como manter as mãos limpas, uso de máscara e álcool em gel e respeito ao distanciamento social. " A situação atual exige que redobremos os esforços em favor do bem coletivo. A vacina está próxima, mas enquanto ela não chega a única forma de prevenção depende de cada um de nós. Mais do que nunca é preciso do envolvimento e solidariedade de todos", reforça o Centro de Contingência do Coronavírus em trecho da carta.

Leia a íntegra do documento:

"O Centro de Contingência do Coronavírus do Estado de São Paulo é formado por uma equipe de 20 especialistas, entre médicos, cientistas, professores, epidemiologistas e infectologistas, que diariamente acompanham o cenário epidemiológico da Covid-19 e atuam em conjunto com o Governo do Estado de São Paulo com o objetivo primordial de salvar vidas.

Os números de casos, internações e óbitos por Covid-19 no mês de dezembro apontam um crescimento da pandemia no Estado. A transmissão da doença retornou com força. O total de novos casos de coronavírus registrado no mês já é seis vezes maior do que em comparação à soma dos três primeiros meses da pandemia. O número de mortes é 60% superior ao total de vítimas fatais entre março e maio.

Com o intuito de conter a disseminação do vírus e, por consequência, o número de internações e óbitos, o Centro de Contingência indicou medidas de reforço da quarentena em todo o estado. No próximo final de semana (dias 1, 2 e 3) apenas os serviços essenciais funcionarão. Esta é mais uma ação que busca reduzir a circulação do vírus e controlar a pandemia.

O Centro de Contingência e a Secretaria da Saúde do Estado de SP reforçam a importância da manutenção das medidas de proteção, como:

1 - Uso de máscaras;
2 - Respeito ao distanciamento social;
3 - Lavar as mãos com água e sabão;
4 - Uso de álcool gel;
5 – Evitar aglomerações.

É fundamental que essas medidas sejam adotadas por todos, sem exceção, em um esforço coletivo para salvar vidas.

Boa parte das pessoas que transmitem o coronavírus é assintomática, por isso festas, encontros sociais e aglomerações devem ser evitados neste momento. A ação consciente de todos neste período do ano é parte vital na contenção da propagação do vírus.

A situação atual exige que redobremos os esforços em favor do bem coletivo. A vacina está próxima, mas enquanto ela não chega a única forma de prevenção depende de cada um de nós. Mais do que nunca é preciso do envolvimento e solidariedade de todos."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários