BBC News Brasil

Covid-19: relatório da FioCruz alerta para aumento de casos e risco de terceira onda no país
Reprodução: BBC News Brasil
Covid-19: relatório da FioCruz alerta para aumento de casos e risco de terceira onda no país

O mais recente Boletim Infogripe, publicado nesta sexta-feira (21/05) por especialistas da Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz), revela que a situação da pandemia de covid-19 no Brasil voltou a piorar em pelo menos oito Estados.

Em outros dez, a tendência de queda nos números está se estabilizando, o que também representa uma preocupação.

Os dados analisados compreendem a semana epidemiológica 19, que vai de 9 a 15 de maio.

"Como vem sendo alertado desde a atualização da semana 14, diversos desses estados ainda estão com valores similares ou até mesmo superiores aos picos observados ao longo de 2020", aponta o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do Infogripe, num comunicado divulgado pela própria FioCruz.

"Tais estimativas reforçam a importância da cautela em relação a medidas de flexibilização das recomendações de distanciamento para redução da transmissão de covid-19, enquanto a tendência de queda não tiver sido mantida por tempo suficiente para que o número de novos casos atinja valores significativamente baixos", completa o especialista.

Como o relatório foi feito?

O Boletim Infogripe é publicado semanalmente e avalia as notificações de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

Todos os hospitais do Brasil são obrigados a transmitir ao Ministério da Saúde as informações de pacientes internados com problemas respiratórios.

Esses relatórios são fundamentais para entender a situação da saúde pública no país e lançar mão de políticas capazes de conter surtos e epidemias.

Embora a SRAG não seja sinônimo de covid-19, é de se esperar que, durante uma pandemia, a maioria das hospitalizações por incômodos respiratórios tenha algo a ver com o vírus em maior circulação no momento — atualmente, o Sars-CoV-2, o coronavírus responsável pela pandemia atual.

Os especialistas da FioCruz usam esses bancos de dados públicos para fazer comparações entre as semanas epidemiológicas e ver como o número de indivíduos afetados pela tal da SRAG se modifica com o passar do tempo.

Quais as descobertas do relatório?

O Boletim Infogripe desta semana traz um alerta importante: o sinal de crescimento nos casos de SRAG em oito Estados.

São eles: Amazonas, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Tocantins, Distrito Federal e Rio de Janeiro

Em duas dessas unidades (Distrito Federal e Rio de Janeiro), a probabilidade de uma nova subida acontece no curto prazo, em três semanas.

Nas demais, esse provável repique pode se consolidar no longo prazo, dentro de um mês e meio.

Um segundo achado importante: em outros dez Estados, que apresentavam anteriormente uma tendência de queda nas notificações de SRAG, foi observada uma interrupção nesse processo, com uma estabilização dos números.

Isso significa que as curvas, antes descendentes, estão se mantendo iguais e podem até voltar a crescer nos próximos períodos.

Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo se encaixam nesse segundo grupo.

Um mesmo cenário (aumento ou reversão na queda dos casos) foi observado em diversas capitais brasileiras e nas macrorregiões da saúde, como aponta o relatório da FioCruz.

O que essas descobertas sinalizam?

Em primeiro lugar, esses indícios sugerem que o retorno às atividades econômicas e sociais aconteceu muito cedo.

Ao primeiro sinal de arrefecimento, muitos prefeitos e governadores aliviaram as medidas restritivas tomadas anteriormente, que reduziram de forma considerável a quantidade de pessoas fora de casa.

Com mais gente nas ruas, o coronavírus também voltou a circular com maior intensidade.

Você viu?

Mais gente infectada, por sua vez, é sinal de uma maior procura por pronto-socorros e postos de saúde, num momento em que as taxas de ocupação de leitos continuam bem longe do ideal.

E isso pode representar uma piora na situação da pandemia nas próximas semanas.

"Tal situação, caso ocorra, não apenas manterá o número de hospitalizações e óbitos em patamares altos como também manterá a taxa de ocupação hospitalar em níveis preocupantes, impactando todos os atendimentos, não apenas aqueles relacionadas à síndromes respiratórias e covid-19", aponta Gomes.

Portanto, um aumento das internações pode aprofundar ainda mais a crise sanitária, aumentar os casos e mortes por covid-19 e levar a um novo colapso do sistema de saúde, o que alguns epidemiologistas encaram como uma "terceira onda".

Alerta ligado há semanas

A título de comparação, na semana epidemiológica 9 (que compreende o período entre 28 de fevereiro e 6 de março), quando o país estava à beira do colapso, a incidência média de SRAG era de 15,5 casos por 100 mil habitantes.

Atualmente, essa taxa está em 11,4, o que é um número extremamente alto na avaliação dos autores do relatório.

Numa reportagem publicada em 30 de abril , a BBC News Brasil ouviu especialistas para entender o que o país deveria fazer para evitar uma eventual terceira onda da covid-19.

À época, o relaxamento das medidas restritivas já chamava atenção de epidemiologistas e matemáticos, que alertavam para uma possível subida nos casos e mortes pela doença.

Os movimentos de prefeitos e governadores foram classificados como "precipitados" e "preocupantes".

"Começamos a viver um cenário parecido ao que ocorreu após a primeira onda, com um platô elevado de casos e mortes. As decisões das próximas semanas serão cruciais para entendermos o que vai acontecer daqui em diante", disse o físico Silvio Ferreira, professor da Universidade Federal de Viçosa.

O epidemiologista Jesem Orellana, da FioCruz Amazônia, já destacava que a queda momentânea e tímida nas estatísticas da pandemia não era algo a ser comemorado.

"Essa queda é esperada e não representa nenhuma vitória sanitária, até porque não estamos tomando medidas de controle efetivas na esfera nacional. Eu estou muito preocupado, inclusive, com a interpretação equivocada do atual momento por nossas autoridades", confessa Orellana.

Os especialistas alertavam para os riscos representados pelas comemorações do Dia das Mães (09/05) e a chegada de temperaturas mais frias, que nos levam a permanecer mais tempo em locais fechados e próximos de outras pessoas.

O que fazer?

Diante de um possível novo aumento, o ideal era que o Brasil adotasse medidas mais rígidas, que envolvessem não apenas uma interrupção das atividades econômicas e sociais, mas também um amplo programa de testagem, isolamento de casos e rastreamento, controle das fronteiras e vigilância genômica de novas variantes.

"Junto com isso, precisaríamos de um Estado empenhado em proporcionar alívio financeiro às famílias em situação de vulnerabilidade e aos pequenos comerciantes e empresários de pequeno ou médio porte", pontua Orellana.

A descoberta recente dos primeiros seis casos no país da linhagem B.1.617 , detectada pela primeira vez na Índia, também liga o sinal de alerta e precisa ser acompanhada de perto pelas autoridades sanitárias.

Do ponto de vista individual, é primordial que todos tomem as medidas necessárias para proteger a si e a todos ao redor, que passam invariavelmente por sair de casa o mínimo possível.

Caso seja necessário ir à rua, todas as recomendações de prevenção continuam a valer: use máscaras (de preferência, PFF2 ou N95), mantenha distanciamento físico de pelo menos 1,5 metro de outras pessoas, lave sempre as mãos e dê preferência a locais abertos, bem arejados e com boa circulação de ar.

E, quando chegar a sua vez, vá até o posto de saúde para receber a vacina.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários