Pandemia reduz expectativa de vida na América Latina, diz ONU
André Biernath - @andre_biernath - Da BBC News Brasil em Londres
Pandemia reduz expectativa de vida na América Latina, diz ONU

A expectativa de vida global ao nascer diminuiu para 71 anos em 2021, abaixo dos 72,8 em 2019. A queda interrompe uma sequência de 5 décadas de crescimento. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (11) pela ONU (Organização das Nações Unidas).

A redução da expectativa de vida está relacionada às mortes causadas pela pandemia da Covid-19. De acordo com o relatório, o impacto variou entre regiões e países. No centro e sul da Ásia e na América Latina e Caribe, por exemplo, a expectativa de vida ao nascer caiu quase 3 anos entre 2019 e 2021. Para Bolívia, Botsuana, Líbano, México, Omã e Rússia, as estimativas caíram mais de 4 anos entre 2019 e 2021.

Por outro lado, a população combinada da Austrália e Nova Zelândia adicionou 1,2 anos, devido aos menores riscos de mortalidade ao longo da pandemia para algumas outras causas de morte.

Segundo as Nações Unidas, globalmente, a expectativa de vida atingiu 72,8 anos em 2019, um aumento de quase 9 anos desde 1990. Estima-se que novas reduções na mortalidade resultem uma longevidade média mundial de cerca de 77,2 anos em 2050.

A expectativa de vida ao nascer para as mulheres excedeu a dos homens em 5,4 anos em todo o mundo. São de 73,8 e 68,4 anos, respectivamente.

“Uma vantagem de sobrevivência feminina é observada em todas as regiões e países, variando de 7 anos na América Latina e no Caribe a 2,9 anos na Austrália e Nova Zelândia”, diz o relatório.

A população mundial deve atingir a marca de 8 bilhões de pessoas ainda em novembro deste ano, prevê a ONU. As últimas projeções também sugerem que a população global pode crescer para cerca de 8,5 bilhões em 2030, 9,7 bilhões em 2050 e 10,4 bilhões em 2100.

Crescimento

Após queda na mortalidade, o crescimento populacional continuará ocorrendo enquanto a fecundidade permanecer em níveis altos. Quando a fertilidade começar a cair, a taxa anual de crescimento populacional também cairá.

Em 2021, a fecundidade média da população mundial foi de 2,3 nascimentos por mulher ao longo de uma vida, tendo caído de cerca de 5 nascimentos por mulher em 1950. A fecundidade global é projetada para diminuir para 2,1 nascimentos por mulher até 2050.

Em 2020, a taxa de crescimento global caiu abaixo de 1% ao ano pela 1ª vez desde 1950. A população mundial deverá atingir um pico de cerca de 10,4 bilhões de pessoas durante a década de 2080 e permanecer nesse nível até 2100.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários