Tamanho do texto

Alguns meses após enviar para biópsia o pelo encravado retirado de sua pele, a mulher foi diagnosticada com um tipo raro de câncer: o melanoma vulvar

Women's Health

Imagine procurar um médico para retirar um pelo encravado e descobrir que aquela protuberância, na verdade, é um câncer. Foi o que aconteceu com Marisa Strupp, de 29 anos.

Leia também: Comentário desagradável do marido faz mulher descobrir câncer de mama

Médico dando diagnóstico a uma paciente com câncer arrow-options
shutterstock
Ao descobrir que o pelo encravado era um indício de câncer, a paciente se disse horrorizada

A norte-americana encontrou um pelo encravado em sua vagina e, por se tratar de uma área sensível, decidiu procurar um dermatologista para retirá-lo. Apesar de dizer que não havia motivos para se preocupar, o profissional recomendou que ela procurasse um ginecologista.

Segundo o  Metro News , alguns meses após enviar para biópsia o material retirado de sua pele, a mulher foi informada de que tinha um tipo raro de câncer . Tratava-se do estágio dois de um melanoma vulvar . “Eu pensei que era apenas um pouco de pelos encravados e, como eles não me preocupavam, levei um tempo para removê-los”, contou.

Leia também: Homem quase morre após contrair blastomicose de seu cachorro

“Eu não estava preocupada na época. Estava muito ocupada com o trabalho, então levei tempo para consultar meu ginecologista. Quando recebi o diagnóstico, fiquei horrorizada, assustada e paralisada de medo. Nunca na minha vida ouvi falar sobre melanoma vulvar”.

O pelo, que na verdade, se tratava de um tumor, fora retirado após três horas de cirurgia. O câncer, contudo, havia se espalhado, levando Marisa a um diagnóstico de estágio três da doença. Após a operação, a paciente foi encaminhada para a imunoterapia, que teve duração de um ano.

Leia também: Mulher pega infecção grave ao fazer as unhas em salão e quase perde o dedo

Apesar de ter sofrido com os efeitos colaterais do tratamento, a boa notícia é que ela se curou do câncer e agora faz check-ups de seis em seis meses. “O câncer tirou muito de mim e eu não vou deixar isso me derrubar e me mudar. Eu não sou uma vítima de câncer. Não significa que não tive dias em que apenas sentei e chorei – eu ainda tenho –, mas lembro que sou mais forte que isso”.