Tamanho do texto

"Meu mundo caiu", diz mãe quando descobriu, ainda durante a gestação, que as filhas eram gêmeas siamesas; não há previsão de cirurgia de separação

Profissionais da maternidade da Santa Casa de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, realizaram, na última sexta-feira (3), um parto raro de gêmeas siamesas. Maria Julia e Luna Vitória nasceram com 35 semanas e interligadas pelo tórax e parte superior do abdômen. Juntas, elas pesam 3.890 kg.

Leia também: Gêmeas siamesas nascem unidas pelo coração em Goiânia

Gêmeas siamesas arrow-options
Divulgação/Santa Casa de Campo Grande
Maria Julia e Luna Vitória são gêmeas siamesas que nasceram interligadas pelo tórax na Santa Casa de Campo Grande

Nos últimos seis anos, esse é o terceiro caso atendido no hospital . Para se ter uma ideia, o nascimento de gêmeas siamesas - também conhecidas como gêmeas xifópagas - tem incidência de 1 para cada 100 mil nascidos vivos. No mundo, em geral, somente 18% dos gêmeos nessa condição sobrevivem.

Esses casos são graves e complexos. A decisão em relação ao manejo clínico e cirurgia de separação depende da anatomia interna em relação a quais órgãos e de que forma são compartilhados.

Leia também: Irmãs siamesas de dois anos unidas pelo crânio são separadas com sucesso 

“São casos raros que precisam ser estudados minuciosamente antes de tomarmos qualquer decisão. As gêmeas estão sendo acompanhadas por toda equipe multiprofissional e recebendo o melhor tratamento para elas no momento”, explica Walter Perez, neonatologista da Santa Casa de Campo Grande.

Gêmeas siamesas arrow-options
Divulgação/Santa Casa de Campo Grande
Mãe ao lado das gêmeas siamesas

Segundo Alice Aparecida Silva Gill, mãe das gêmeas, a situação das filhas foi descoberta no primeiro ultrassom . “No dia oito de agosto do ano passado, fiz meu primeiro ultrassom e já fui informada da situação das meninas que estavam interligadas. Aí meu mundo e do meu esposo caiu, pois sabemos que é um caso muito delicado”, afirma. 

Na gestação, Alice ficou internada na Santa Casa por quatro vezes. Agora, a expectativa é sair do hospital com as filhas nas mãos. “A primeira vez que eu fiquei internada, estava com 28 semanas. Aí, depois disso, ficava uma semana em casa e a outra aqui no hospital até o momento do parto", relata. 

Leia também: Gêmeas com doença dos ossos de vidro impressionam médicos: “Pequenos milagres”

As gêmeas siamesas seguem em estado grave, porém estável. Elas permanecem internadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal  e respiram com o auxílio de aparelhos. As irmãs recebem antibióticos, alimentação parenteral, acompanhamento da equipe médica clínica e cirúrgica multidisciplinar. Ainda não há definição em relação a cirurgia de separação.