Desde o começo do ano, a apresentadora de TV Ana Maria Braga enfrenta uma nova luta contra o câncer . Desta vez, a apresentadora que já enfrentou outros dois pequenos cânceres nos pulmões, será tratada contra um adenocarcinoma na mesma área.

ana maria braga e louro josé
ana maria braga
Ana Maria Braga está de volta ao comando do Mais Você e segue o tratamento contra o câncer com imunoterapia

Depois de um período afastada,  Ana Maria voltou ao Mais Você na manhã desta segunda-feira (2). No programa, ela comentou que segue o tratamento e voltou a falar que está combinando a imunoterapia com sessões de radioterapia.

Felizmente, a imunoterapia representa otimismo para quem entende do assunto. De acordo com Márcia Datz, diretora médica do laboratório MSD, o tratamento - ainda recente no Brasil - representa uma maneira mais eficaz e menos agressiva de lidar com a doença. 

Hoje, muitos medicamentos imunoterápicos já são produzidos e testados por farmacêuticas brasileiras, com regulação para uso no Brasil. Outros - voltado para tumores específicos - aguardam autorização. 

“Nós sempre soubemos que o corpo deveria combater o câncer, mas algo nas células tumorais não permitia que o corpo identificasse e combatesse aquilo como uma ameaça. Após muitos estudos, porém descobrimos pontos entre os tumores e células imunológicas que causavam esse não reconhecimento”, contextualiza. “A imunoterapia, então, busca cortar essa ligação”.  

Leia mais: Brasil deve ter 625 mil novos casos de câncer em 2020, diz Inca

Vantagens da imunoterapia

Quando comparada à quimioterapia, uma dos tratamentos mais conhecidos contra o câncer, a imunoterapia sai na frente por causar muito menos efeitos colaterais. “Na quimioterapia, o remédio mata as células com um comportamento específico, em geral as que se reproduzem muito rápido. Entre elas está o câncer, mas também estão outras células importantes do corpo”, explica. 

Apesar de reduzidos, porém, a terapia não é completamente isenta de riscos, além de não ser aplicável para todos os tipos de câncer - como é comum em tratamentos dessa natureza. “O risco da imunoterapia é uma resposta exacerbada contra as próprias células, ocasionando em doenças auto-imunes que exigem ajustes e tratamentos específicos”, diz.

A profissional de saúde também que reforça que, mesmo que haja comparações e prioridades entre os tratamentos, o objetivo é alcançar o mínimo de remissão para o paciente combinando métodos. “O desafio é combinar outras coisas, inclusive a quimioterapia, para alcançar o melhor dos resultados”, diz. 

Ainda de acordo com Márcia, o tratamento possui um impacto mínimo na vida do paciente. “O medicamento é administrado por via endovenosa . O paciente recebe a dose e não fica internado. Volta para e casa e, com uma variação para cada caso, recebe novas doses em um espaço de tempo determinado”.  

Leia mais: Teste genético pode impedir surgimento do câncer; veja quem pode fazê-lo

Para quais tipos de câncer serve a imunoterapia?

Entre os tipos de tumores que já podem se beneficiar do tratamento com imunoterapia no Brasil estão os cânceres de pulmões, rins, melanoma, câncer de cabeça e pescoço e o câncer de bexiga. 

    Veja Também

      Mostrar mais