Durante coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (26), o Ministério da Saúde confirmou o primeiro caso do novo coronavírus no Brasil. Na noite desta terça-feira (25) já tinha sido divulgado que um paciente em São Paulo tinha testado positivo para o Covid-19 .

coronavírus
shutterstock
caso de coronavírus é confirmado no Brasil

O homem de 61 anos esteve a trabalho na região da Lombardia, na Itália, durante o dia 09 ao dia 20 de fevereiro e chegou ao país no dia 21 de fevereiro. Os sintomas do coronavírus começaram dois dias depois com febre, coriza e dor de garganta.

O mesmo foi atendido no Hospital Albert Einstein, onde o primeiro teste deu positivo. A contraprova foi enviada ao Instituto Adolfo Lutz e confirmada na manhã desta quarta-feira (26).

Segundo o Ministério da Saúde, no momento o Brasil está com 20 casos suspeitos em diversas regiões do país. O Estado com mais suspeitas é São Paulo, com 11.

Leia também: Áustria, Croácia, Espanha e Suíça registram primeiros casos de coronavírus

O ministro Luiz Henrique Mandetta afirmou que o novo coronavírus é "mais um vírus que precisamos enfrentar" e que o governo está preocupado com cidadãos que foram para fora do país e não indica as festas de Carnaval como risco para infecções.

O que muda nas ações para conter o vírus? 

A respeito das ações para conter o vírus, Mandetta reforçou que não há como bloquear a circulação de pessoas. “Existem um grande trânsito mundial. As pessoas saem de um país, entram no outro e tem contato com pessoas de outros países”.

A prioridade do país agora - afirma o ministro - será reforçar a comunicação para prevenção e tratamento da doença . "Queremos adicionar algumas ações nos aeroportos com auxílio de um aplicativo que fornece todas as informações necessárias para quem chega e quem sai do país", disse. 

Questionado sobre as medidas de segurança que envolvem as outras pessoas que estiveram no mesmo voo em que o caso confirmado, o ministro explicou que, por enquanto, não haverá quarentena.

"Pessoas que viajaram nas duas fileiras da frente e nas poltronas laterais do paciente serão localizadas pela Anvisa. Essas pessoas serão informadas do risco  de infecção por coronavírus para que fiquem atentas aos sintomas e, em casos de problemas respiratórios ou tosse, devem entrar em contato imediatamente com uma unidade de saúde", explicou. 

    Veja Também

      Mostrar mais