coronavírus
shutterstock
Saiba se você está no grupo de risco do COVID-19 e conheça as melhores iniciativas para prevenção

O site Worldometer , famoso por organizar gráficos demográficos de diversos fatores e revelar estatísticas, publicou um relatório sobre o coronavírus , tomando dois importantes estudos chineses sobre o caso. O primeiro levantamento chinês, The Report of the WHO-China Joint Mission , toma 55 mil casos laboratoriais confirmados, enquanto o segundo, Chinese CCDC , considera cerca de 72 mil.

LEIA MAIS: Primeira morte por coronavírus é confirmada nos EUA; veja detalhes

A partir dos estudos feitos por epidemiologistas, o Worldometer traçou o perfil das pessoas que morreram pelo coronavírus COVID-19 desde o início das infecções , em dezembro de 2019. Em um relatório publicado em duas etapas, especialistas definiram a taxa de mortalidade do vírus a partir da faixa etária, bem como problemas de saúde que podem deixar o paciente ainda mais frágil.

Faixa etária

O estudo do Worldometer começa com a relação entre faixa etária e a possibilidade de morrer com o coronavírus, com base no que há de informação sobre o COVID-19 neste momento. A tabela da “taxa de mortalidade” leva em conta o número de mortos ante a quantidade de infectados em uma determinada idade. Acompanhe abaixo:

Faixa etária Taxa de mortalidade
80 anos ou mais 14,8%
Entre 70 e 79 anos 8,0%
Entre 60 e 69 anos 3,6%
Entre 50 e 59 anos 1,3%
Entre 40 e 49 anos 0,4%
Entre 30 e 39 anos 0,2%
Entre 20 e 29 anos 0,2%
Entre 10 e 19 anos 0,2%
Entre 0 e 9 anos Sem mortes confirmadas

Portanto, há de se observar que o coronavírus é muito mais letal se afetar pacientes na faixa dos 80 anos. Em contraponto, a letalidade do vírus aos jovens é muito inferior. Apesar de alguns bebês terem sido diagnosticados com o vírus, não foram registradas mortes de crianças entre zero e nove anos. 

LEIA MAIS: Maranhão monitora dois casos suspeitos de coronavírus

Doenças prévias

Conforme vem sendo divulgado por diversos laboratórios desde o início da epidemia do COVID-19, as chances de morte pelo coronavírus aumentam se o paciente tiver alguma outra doença. Com base nos dados de ambos os estudos, o Worldometer traçou o seguinte gráfico:

Condição pré-existente Taxa de mortalidade
Doenças cardiovasculares 10,5%
Diabetes 7,3%
Doença respiratória crônica 6,3%
Hipertensão 6,0%
Câncer 5,6%
Sem condição pré-existente 0,9%

Pacientes que sofrem de doenças cardiovasculares estão no grupo de risco do coronavírus. A diabetes, uma das doenças mais populares da China continental, epicentro das infecções, é a segunda maior causa de morte. Doenças respiratórias, hipertensão e câncer finalizam a lista dos agravantes. Apenas 0,9% dos mortos pelo coronavírus não contavam com qualquer uma das condições anteriores.

Prevenção

Após a confirmação do primeiro caso de COVID-19 no Brasil, a procura por máscaras higiênicas chegou a triplicar em alguns estados brasileiros, conforme publicado pelo G1. Os especialistas, entretanto, dizem que elas dificilmente serão recomendadas pelo governo brasileiro. Neste momento, apenas China e Japão iniciaram a distribuição do aparato.

LEIA MAIS: Equador confirma quinto caso de coronavírus na América Latina

De acordo com Atila Iamarino, biólogo e pesquisador, é difícil utilizar as máscaras da forma correta para evitar a transmissão do COVID-19 . “A melhor maneira de prevenir a contaminação é lavar as mãos e usar álcool gel”, diz ele, em seu perfil no Instagram. “Para que o álcool funcione bem, ele precisa permanecer tempo suficiente nas mãos e ter uma concentração alta, de pelo menos 60%. O álcool gel combina as duas coisas: ele tem concentração adequada para destruir o vírus, e fica tempo suficiente nas mãos por estar em gel”.

    Veja Também

      Mostrar mais