álcool
shutterstock
Álcool gel está ajuda a eliminar o novo coronavírus, mas oferece riscos para a pele

Apesar de muito necessário na prevenção de diversas doenças, entre as quais a Covid-19, o uso excessivo do álcool em gel representa o risco de ressecamento e até queimaduras na pele. Dicas simples, porém, podem evitar os danos causados pelo produto.

De acordo com a dermatologista Gina Matzenbacher, em entrevista prévia ao IG , o álcool possui substâncias que podem atingir o funcionamento saudável das glândulas sebáceas - que garantem o equilíbrio e hidratação da pele - e, por isso, o mais recomendado é dar preferência para a água e sabão quando estiver em casa. Ainda assim, saiba que a pele ficará mais ressecada. "Todos os sabonetes tendem a causar o ressecamento se usados com muita frequência. Os de PH neutro também", afirma.

Leia mais: 

Para lidar com o problema, a alternativa é investir na hidratação diária. Sem esquecer cutículas e unhas, Gina recomenda fazer uma massagem potente com hidratantes , que segundo ela, quanto mais grosso, melhor o efeito. "Cremes vendidos em farmácias tendem a ter um resultado bem melhor e, financeiramente, são mais econômicos do que as receitas caseiras", diz a médica.

Ainda de acordo com a profissional, as regiões mais sensíveis são as palmas, as cutículas e unhas. "Na palma da mão, temos a última camada da pele, que é a região do estrato córneo", afirma a dermatologista. Essas regiões devem receber mais atenção na hora da hidratação.

Além do ressecamento, que pode causar descamações e até fissuras na pele das mãos, outro problema que pode ser causado pelo excesso do álcool em gel é o r isco de queimaduras . Por ser um produto inflamável, é fudamental ter cuidado ao acender o fogão da cozinha ou até mesmo um cigarro.

O presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão (SBCM), João Baptista Gomes dos Santos, explica que a mão representa 3% da superfície corporal total, mas seu envolvimento em traumas graves, como queimaduras , pode levar a sequelas funcionais graves.

“A mão é mais suscetível ao traumatismo por queimadura, porque geralmente está mais próxima do agente causador ou porque é utilizada pelas vítimas na tentativa de se proteger no momento do acidente", relata.

    Veja Também

      Mostrar mais