Dexametasona
Fotoarena / Agência O Globo
Ainda não há protocolo para o uso da dexametasona; receita dependerá do médico

Os hospitais particulares brasileiros já estão receitando dexametasona para pacientes internados com Covid-19 em estado grave. Segundo a Universidade de Oxford (Inglaterra), que também lidera a pesquisa por uma possível vacina, o medicamento é capaz de reduzir a inflamação no pulmão, salvando um terço dos pacientes internados na UTI. Entre os doentes que apenas recebem oxigênio, a dexametasona proporciona diminuição de 20% no número de mortes.

Leia mais:

As informações foram divulgadas pelo estudo Recovery, o maior ensaio clínico mundial para encontrar medicamentos eficazes contra o novo coronavírus (Sars-CoV-2).

O uso do corticóide dexametasona em casos de pneumonia aguda não é novo, mas os profissionais da área aguardavam dados mais precisos sobre sua eficácia. Da mesma forma, ainda não há um protocolo para o seu uso, cabendo ao médico a decisão de utilizar o medicamento.

Dexametasona contra a Covid-19

Ainda não se sabe ao certo como o medicamento age contra a Covid-19, mas especialistas alertam que o medicamento não surte efeitos em casos leves e que não necessitem de apoio respiratório. A dexamesatona também não pode ser usada como um método de prevenção. 

Por usar uma dosagem baixa, de 6 mg, o estudo da Oxford ganhou credibilidade. Se usado em grande quantidade, os corticoides podem interromper a resposta imune do organismo, fazendo com que a medicação não tenha efeito. A dexamesatona é um anti-inflamatório e imunossupressor barato e de fácil acesso em diversos países. 

Ele é usado no tratamento de inflamações, câncer (em alguns casos), doenças pulmonares graves, artrite reumatoide, lúpus e doenças autoimunes. Nesses tratamentos, no entanto, o corticoide é usado em combinação com antibióticos, antivirais e antiparasitórios. Sozinho, o medicamento não é capaz de fazer o efeito esperado.

    Veja Também

      Mostrar mais