Caixas de dexametasona
Dirceu Portugal/Fotoarena/Agência O Globo
Dexametasona também pode apresentar riscos

Um estudo publicado na New England Journal of Medicine , uma das publicações científicas do Reino Unido mais respeitadas na área da medicina, mostra que o uso de dexametasona contra a Covid-19 , doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), é eficaz, mas também pode apresentar riscos.

A pesquisa foi realizada em pacientes hospitalizados com a Covid-19 que estavam sendo submetidos a tratamento com ventilação mecânica. Os participantes foram 2.104 pessoas que receberam diariamente seis miligramas da substância por 10 dias e outras 4.321 que receberam o tratamento usual.

No final da pesquisa, após 28 dias, a taxa de mortalidade entre os dois grupos de pacientes sob tratamentos diferentes foi comparada.

Entre os pacientes em ventilação mecânica, a taxa de mortalidade dos que usaram a medicação foi de 29,3%, comparado aos 41,4% que não a usaram. Isso significa que o grupo que teve a dexametasona usada em seu tratamento com ventiladores teve redução de 29% da mortalidade.

Em pacientes que recebiam oxigênio, mas com menos tratamentos invasivos, o benefício foi menor, com a morte de 23,3% dos tratados com dexametasona. No caso dos que não foram tratados com o medicamento, 26,2% morreram.

O estudo mostrou que nenhuma eficácia foi comprovada ao grupo que não precisou receber oxigênio desde que começou o tratamento.

Nesta categoria, 17,4% dos que fizeram uso do esteróide morreram, em comparação aos 14% que não o receberam. A diferença indica que o medicamento aumentou o risco de mortalidade, já que o funcionamento da droga suprime a resposta imune anormal, que danifica os órgãos do corpo em vez de atacar o vírus.

    Veja Também

      Mostrar mais