Dor, sofrimento e tristeza marcam profissionais de saúde na pandemia, diz estudo
Paula Adamo Idoeta - Da BBC News Brasil em São Paulo
Dor, sofrimento e tristeza marcam profissionais de saúde na pandemia, diz estudo

Por trás de cada Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) lotada, há médicos, enfermeiros e técnicos da saúde esgotados. Para além de jornadas extensas, os profissionais da saúde sofrem com a perda de pacientes, colegas e parentes, e tiveram suas rotinas transformadas por completo durante este ano inteiro de pandemia.

Estes são alguns dos resultados da pesquisa Condições de Trabalho dos Profissionais de Saúde no Contexto da Covid-19, realizada pela Fiocruz em todo o território nacional e divulgada neste domingo. O mais amplo levantamento das condições de trabalho dos profissionais de saúde durante a pandemia avaliou as transformações e durezas enfrentadas por esses trabalhadores durante os últimos 12 meses, incluindo aspectos físicos, emocionais e psíquicos.

Segundo os resultados, a pandemia alterou de modo significativo a vida de 95% dos profissionais da saúde. Quase metade dos profissionais citaram excesso de trabalho ao longo da crise, com jornadas para além de 40 horas semanais, e  um elevado percentual (45%) disse precisar de mais de um emprego para sobreviver.

A atuação dos profissionais na linha de frente é marcada pela dor, sofrimento e tristeza, com fortes sinais de esgotamento físico e mental — disse a coordenadora do estudo, Maria Helena Machado. — Trabalham em ambientes de forma extenuante, sobrecarregados para compensar o elevado absenteísmo. O medo da contaminação e da morte iminente acompanha seu dia a dia.

Quase 70% dos profissionais da saúde consultados reprovam os posicionamentos das autoridades sanitárias durante a pandemia, os considerando inconsistentes e não esclarecedores.  Três em cada quatro profissionais de saúde relataram ter tido contato com pacientes com crenças enganosas sobre a pandemia, e mais de 90% dos entrevistados disseram que notícias falsas, como a promoção de remédios inúteis contra a Covid, são um problema durante a pandemia.

Cerca de 43% dos profissionais de saúde disseram não se sentir protegidos no trabalho. A principal razão para isso, de acordo com 23% deles, se relaciona à falta e à inadequação do uso de Equipamentos de Proteção Individual. Mais da metade dos profissionais (64%) disse ter sido necessário improvisar equipamentos.

Você viu?

Mais de 25 mil pessoas participaram do estudo, incluindo 16 mil das profissões da área da saúde. As demais categorias incluem técnicos, auxiliares e trabalhadores de nível médio.

Quase um quinto dos participantes do estudo (18%) citou medo de se contaminar no trabalho (18%), enquanto 15% disseram não haver uma estrutura adequada para a realização da atividade e 12,3% citaram uma escassez da capacidade de internação. O despreparo técnico dos profissionais para atuar na pandemia foi citado por 11,8%, enquanto 10,4% denunciaram a insensibilidade de gestores para suas necessidades profissionais.

Foram observadas consequências na saúde mental daqueles que atuam na assistência aos pacientes. Segundo a pesquisa, as alterações mais comuns no cotidiano dos profissionais foram perturbação do sono (15,8%), irritabilidade e crises de choro, (13,6%), incapacidade de relaxar ou estresse (11,7%), dificuldade de concentração (9,2%) e perda de satisfação na carreira ou na tristeza (9,1%).

Quando questionados a respeito das principais mudanças na rotina profissional, 22,2% declararam conviver com um trabalho extenuante. Apesar de 16% de esses profissionais apontarem alteração referente a aspectos de biossegurança e contradições no cotidiano, a mesma proporção relatou melhora no relacionamento entre as equipes. O estudo demonstra ainda que 14% da força de trabalho que atua na linha de frente do combate à Covid-19 no país está no limite da exaustão.

O estudo verificou que 40% dos entrevistados sofreram algum tipo de violência em seu ambiente de trabalho. Além disso, são vítimas de discriminação na própria vizinhança (33,7%) e no trajeto trabalho/casa (27,6%).

"As  pessoas consideram que o trabalhador transporta o vírus, e, portanto, ele é um risco. Se não bastasse esse cenário desolador, esses profissionais de saúde experienciam a privação do convívio social entre colegas de trabalho, a privação da liberdade de ir e vir, do convívio social e do convívio familiar", afirmou Machado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários