Marcelo Queiroga, ministro da Saúde
Tony Winston/MS
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga , criticou nesta segunda-feira (26), a judicialização para entrega de doses da vacina Coronavac e avisou que se todos procurarem a Justiça não haverá "doses pra todo mundo". Ele citou como exemplo a capital da Paraíba, João Pessoa, que conseguiu uma liminar e recebeu o imunizante.

"Se todos judicializarem não tem doses para todo mundo", afirmou Queiroga, em audiência pública no Senado.

O ministro informou que doses da Coronavac não serão entregues nesta semana, a previsão é que sejam distribuídas aos estados daqui a dez dias devido ao atraso da entrega o IFA ( Ingrediente Farmacêutico Ativo) ao Butantan pela China. Sem dar detalhes, Queiroga informou que o ministério vai emitir uma nota técnica sobre o assunto.

Queiroga também citou a divulgação, no sábado (24), da atualização do cronograma de vacinação no país . O número de doses esperadas para o mês de maio caiu de 46,9 milhões para 32,4 milhões. Ele justificou que estavam previstos 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin , que ainda não tem aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e também a demora para entrega do IFA para produção de vacinas.

"O fato é que temos trabalhado fortemente pra conseguir mais dose", garantiu, informando também está em andamento uma negociação para compra de vacina de um outro fabricante chinês: "Quando tiver informações iremos divulgar".

Na audiência, o ministro também reforçou que a pasta prepara um protocolo com orientações sobre as substâncias que estão sendo usadas pelos médicos no país.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários