Queiroga fala sobre vacina: 'Não temos todas as evidências científicas ainda'
Tony Winston/MS
Queiroga fala sobre vacina: 'Não temos todas as evidências científicas ainda'

Em coletiva de imprensa nesta sexta-feira com o prefeito do Rio, Eduardo Paes, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, negou que o presidente Jair Bolsonaro questione a eficácia das vacinas. O ministro afirmou que, na verdade, Bolsonaro diz que "não se tem todas as evidências das vacinas" e que os pesquisadores precisam ainda responder alguns questionamentos, como a vacinação em crianças.

Nesta semana, em entrevista concedida à "SIC TV", de Rondônia, o presidente atacou em diversas ocasiões a CoronaVac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. Bolsonaro ironizou o imunizante em relação à vacina da Pfizer e afirmou, de maneira falsa, que a CoronaVac não tem comprovação científica.

"O presidente Bolsonaro fala que não se tem todas as evidências científicas sobre vacinas. E aí se interpreta que ele está questionando as vacinas. Nós temos que questionar tudo. Não temos todas as evidências científicas ainda. Não sabemos se podemos vacinar a primeira dose de uma fabricante e a segunda de outra. E como vamos saber disso? Fazendo pesquisa e é por isso que elas avançam. Crianças devem ser vacinadas? Como é a questão das gestantes? São respostas que precisam ser dadas, e pelos pesquisadores".

Queiroga ainda admitiu que em 2020 o Brasil pouco testou para a Covid-19. O ministro atribuiu a falta de testagem em massa à falta de estrutura para o processamento dos testes RT-PCR.

Você viu?

"O Brasil ano passado testou pouco. Por que? A estrutura para o RT-PCR ainda era pequena e os resultados demoravam. Hoje o momento é outro e temos testes de antígeno rápido. Vamos trabalhar para testar até 20 milhões de brasileiros todos os meses, em uma estratégia na atenção primária. Testar na população em geral os assintomáticos, porque sabemos que eles transmitem a doença", afirmou Queiroga.

Questionado sobre o estudo do uso obrigatório de máscara, sobre o qual Bolsonaro disse que o ministério iria fazer um parecer para desobrigar, Queiroga afirmou que será uma avaliação técnica:

"O presidente está vendo que outros países, como o Estados Unidos, já começam a flexibilizar o uso de máscara. E pediu para fazer um parecer, que será feito com dados técnicos".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários