O que preciso saber sobre a vacina da Pfizer e BioNTech?
Layse Ventura
O que preciso saber sobre a vacina da Pfizer e BioNTech?

Com a chegada de mais doses da vacina dos laboratórios Pfizer e BioNTech no Brasil, aumentam também os questionamentos sobre o imunizante. Confira a seguir um tira-dúvidas com as principais perguntas sobre o medicamento.

1. Qual é a origem do imunizante?

Esse medicamento é fruto de uma parceria entre os laboratórios da empresa norte-americana Pfizer e da alemã BioNTech.

2. Como é feita a vacina?

Esse medicamento utiliza apenas uma parte sintética do material genético do vírus SARS-CoV-2, e não o vírus em si. Por isso, ela não provoca a doença Covid-19 em quem a recebe.

A ideia é que a parte usada, um RNA mensageiro (mRNA), dê instruções ao organismo para a produção de proteínas (antígenos) encontradas na superfície do vírus. Agora, o sistema imunológico passa a produzir anticorpos e células de defesa.

Com isso, caso a pessoa tenha contato com a doença, o organismo tem a capacidade de combater o vírus sem adoecer.

3. Em quantas doses é aplicada essa vacina?

São duas doses, com um intervalo de maior ou igual a 21 dias. Preferencialmente, mais próximo de 3 semanas. Após a segunda aplicação, é importante aguardar pelo menos 7 dias para estar protegido.

4. Qual é a eficácia do medicamento?

A eficácia da vacina contra a Covid-19 é de 95%, de acordo com os resultados dos estudos de fase 3. Para chegar a essa conclusão, foram aplicadas duas doses, num intervalo de 21 dias entre elas, em mais de 44 mil voluntários.

Em jovens de 12 a 15 anos, a vacina demonstrou eficácia de 100% em estudos de fase 3 com 2.260 adolescentes dos Estados Unidos. Diante desse resultado favorável, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, em junho, o uso do imunizante nessa faixa etária.

Além disso, a vacina é segura para grávidas. Vale lembrar que estão liberados para elas no Brasil somente os medicamentos da Pfizer e BioNTech e a CoronaVac, produzida pelo Butantan. A aplicação do imunizante da AstraZeneca e Fiocruz foi proibido em gestantes pela Anvisa.

Você viu?

5. Quais são os efeitos colaterais da vacina da Pfizer e BioNTech?

De acordo com a bula do imunizante, as reações são divididas entre:

Comuns (10% dos pacientes):

  • Dor e inchaço no local de injeção
  • Cansaço
  • Dor de cabeça
  • Diarreia
  • Dor muscular
  • Dor nas articulações
  • Calafrios
  • Febre

Mais comuns (entre 1% e 10% dos pacientes):

  • Vermelhidão no local de injeção
  • Náusea
  • Vômito

Incomuns (entre 0,1% e 1% dos pacientes):

  • Aumento dos gânglios linfáticos (ou ínguas)
  • Reações de hipersensibilidade, como, por exemplo, lesão na pele, coceira, cansaço, diminuição de apetite, entre outros.

Rara (entre 0,01% e 0,1% dos pacientes):

  • Paralisa facial aguda

6. Já temos esse imunizante no Brasil?

Em fevereiro de 2021, a Anvisa concedeu registro definitivo ao imunizante. Com isso, foram assinados dois acordos entre os laboratórios e o Governo Federal, em março e em maio, para a entrega de 200 milhões de vacinas até o fim do ano. O primeiro lote foi entregue em 29 de abril.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários