Brasil tem 2ª morte confirmada relacionada à variante Delta da Covid-19
Reprodução/FreePic
Brasil tem 2ª morte confirmada relacionada à variante Delta da Covid-19

Um tripulante indiano de 54 anos que foi internado em São Luís, no Maranhão, após testar positivo para a variante Delta do novo coronavírus, identificada pela primeira vez na Índia, morreu no sábado. A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) no domingo.

Ele é a segunda vítima confirmada da variante Delta no Brasil.  A primeira foi uma mulher grávida de 42 anos, que viajou do Japão para o norte do Paraná. Ela morreu em 18 de abril e a infecção pela variante foi confirmada no domingo, pelo Ministério da Saúde.

O homem estava internado há 43 dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital particular da capital maranhense. A causa da morte não foi divulgada.

Ele deu entrada no hospital no dia 14 de maio, quando chegou a bordo do navio MV Shandong da Zhi no litoral maranhense. Em 22 de maio, chegou a ser intubado após uma piora no estado de saúde.

Na quinta-feira, segundo boletim médico divulgado pela Secretaria de Saúde, o homem seguia internado na unidade e o estado de saúde era considerado grave.

Você viu?

O G1 procurou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a direção do hospital na capital maranhense e a Secretaria de Estado da Saúde (SES), que não haviam se manifestado até a publicação desta reportagem sobre os procedimentos que seriam adotados para o traslado do corpo da vítima.

O homem de 54 anos era um dos 24 tripulantes do navio MV Shandong da Zhi, que chegou ao litoral do Maranhão vindo da Malásia. Além dele, outros cinco tripulantes da embarcação testaram positivo para a variante indiana do coronavírus.

A OMS informou, neste mês, que a variante Delta está se tornando dominante globalmente por causa de sua maior transmissibilidade.

O avanço da cepa vem provocando uma explosão no número de novos casos em vários países e pondo em xeque os planos de retomada até em nações onde a vacinação está avançada, como Israel, que começaram a reimpor medidas restritivas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários