Covid-19: Queiroga anuncia 3ª dose da vacina para 15 de setembro
Tony Winston/MS
Covid-19: Queiroga anuncia 3ª dose da vacina para 15 de setembro

O ministro da Saúde,  Marcelo Queiroga, anunciou, nesta quarta-feira (25), que a  3ª dose da vacina contra a Covid-19 vai começar a ser aplicada em idosos e pessoas imunossuprimidas a partir do dia 15 de setembro. O intervalo entre doses das vacinas da Pfizer e AstraZeneca também vai ser dimunuído para tentar conter o avanço da  variante Delta no Brasil.

Todos os imunossuprimidos que já tomaram a 2ª dose da vacina há 28 dias poderão receber o reforço a partir da segunda quinzena de setembro. No caso dos idosos, eles devem ter tomado a 2ª dose há mais de seis meses. A imunização de reforço vai ser para pessoas com mais de 70 anos. 

O Ministério da Saúde informou que a imunização deverá ser feita, preferencialmente, com uma dose da Pfizer, ou de maneira alternativa, com a vacina da Janssen ou AstraZeneca. "Nos reunimos ontem com a Opas (Organização Pan-Americana de Saúde) e com o comitê técnico que assessora a imunização e tomamos a decisão", afirmou o ministro Queiroga à coluna da jornalista Mônica Bergamo.

Outra mudança será a redução do intervalo entre as doses das vacinas da Pfizer e da AstraZeneca, de 12 para 8 semanas, como já acontece no Reino Unido. O motivo para a redução do intervalo, segundo o ministro, é conter a variante Delta no Brasil, que se espalha pelo país.

Estudos publicados já mostram que a 1ª dose das vacinas, no caso da delta, têm eficácia reduzida e não conseguem evitar boa parte das infecções. Já com duas doses a proteção é maior, portanto a avalização é reduzir esse intervalo para imunizar as pessoas mais rápido.

A decisão sobre aplicação de dose de reforço em toda a população, e não apenas nos idosos e imunosuprimidos, só será tomada depois da conclusão de um estudo, que deve ser finalizado em outubro, que o Ministério da Saúde está fazendo em parceria com universidades.

Estudos já mostram que a proteção das vacinas cai com o tempo, e  pelo menos 14 países já decidiram aplicar a dose de reforço dos imunizantes contra a Covid-19.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários