O ministro da Saúde Marcelo Queiroga
Walterson Rosa/MS
O ministro da Saúde Marcelo Queiroga

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, defendeu nesta quarta-feira a aplicação da terceira dose da vacina contra Covid-19 com imunizantes da Pfizer e AstraZeneca. Sem citar a CoronaVac, ele afirmou que o imunizante com vírus inativado, como o produzido pelo Instituto Butantan, tem efetividade abaixo de 30% para quem tem mais de 90 anos, por exemplo.

"Aqueles indivíduos acima de 70 anos, os nonagenários têm uma efetividade de vacina muito baixa, sobretudo em relação à imunizante que tem a tecnologia do vírus inativado. Chega nos indivíduos nonagenários a efetividade ser abaixo de 30%. Essas pessoas não estão protegidas e requer uma terceira dose", disse Queiroga em audiência pública no Senado.

A terceira dose já começou a ser aplicada em várias capitais do país. Queiroga negou aos senadores estar retirando a CoronaVac do programa de vacinação.

"Nós não fazemos política na saúde, fazemos política de saúde (…) Nós queremos que a CoronaVac tenha seus dados apresentados à Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) de maneira definitiva", afirmou.

Você viu?

Nesse primeiro momento, o governo defende a a vacinação de idosos a partir de 70anos e pessoas imunocomprometidas, como pacientes com câncer, HIV ou que passaram por transplante.

Na avaliação da Organização Mundial de Saúde (OMS), a prioridade deve ser dada a nações que registram índices de 1% a 2% de imunização. A entidade classificou a estratégia da dose de reforço neste momento como “um erro”. Na avaliação do ministro, não há “comprometimento ético”.

"Eu não vejo nenhum comprometimento ético em relação à aplicação da terceira dose, acho que estamos fazendo isso aqui baseado em critérios técnicos e de especialistas."

Na audiência, o ministro reforçou pedido para que estados e município cumpram as orientações do ministério. Ele citou, por exemplo, que a pasta orientou que a dose de reforço seja feita a partir do dia 15 de setembro, mas já está sendo aplicada. No caso de vacinação em adolescentes, alertou que apenas o imunizante da Pfizer tem indicação em sua bula para aplicação

"Se cada um dos 5.070 municípios do Brasil quiserem fazer seu próprio esquema de vacinação, o Ministério da Saúde não tem como entregar doses, não tem. Porque nós temos uma organização de entrega, isso tem que ser feito de maneira organizada", afirmou Queiroga, completando: "O Ministério da Saúde só entra com ônus, o tempo inteiro."

Queiroga afirmou que os óbitos têm caído de “maneira sustentável” resultando em um melhor cenário epidemiológico apesar da variante Delta já ter transmissão comunitária no país.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários