Vacina da Pfizer
Reprodução: Google/licenciáveis
Vacina da Pfizer



Na falta de vacinas da AstraZeneca, a cidade de São Paulo começou a aplicar o imunizante da Pfizer para pessoas com a segunda dose atrasada na capital. A medida vale para quem deveria completar o esquema vacinal entre os dias 1° e 15 deste mês.

Segundo o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, São Paulo recebeu 165 mil doses da Pfizer para essa finalidade. A remessa foi distribuída entre os postos de saúde do município na manhã desta segunda-feira, e a aplicação começou à tarde.


A quantidade de doses, porém, é insuficiente para suprir o déficit. Segundo o secretário municipal da Saúde, o contingente de espera para a segunda dose até o dia 15 chega a 340 mil pessoas na capital paulista. Segundo ele, é difícil fazer uma previsão de quando será possível abarcar a vacinação para todo o grupo: "Dependemos da Fiocruz e do Ministério da Saúde". 

O governo do estado de São Paulo afirma que não há previsão de envio de novas doses do imunizante à capital. Para isso, reforça, também depende de remessas do Ministério da Saúde.

No final de semana, o governo do estado distribuiu 400 mil doses extras de Pfizer que chegaram e oram remanejadas para a aplicação desta segunda dose. A medida, afirmou, foi adotada diante do “apagão” do Ministério da Saúde que, segundo o governo paulista, deixou de enviar quase um milhão de doses ao estado em setembro.

Você viu?

Ministério defende critérios para 2ª dose

A utilização de imunizantes diferentes para completar o esquema vacinal foi defendida pelo Comitê Científico que assessora o governo estadual na gestão da pandemia, com base em orientações do próprio Ministério da Saúde.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta segunda-feira, porém, que são necessários critérios na utilização de dois imunizantes diferentes no mesmo esquema vacinal.

"Se por ventura a AstraZeneca, por contas operacionais, faltar eventualmente, se usa a intercambialidade. Mas o critério não pode ser faltou um dia já troca senão a gente não consegue avançar", afirmou.

Na capital paulista, as pessoas que foram aos postos de saúde para a segunda dose atrasada tiveram que assinar um termo de consentimento autorizando a vacinação com mudança de marca.

A prefeitura espera ainda utilizar doses da Pfizer para aplicação da dose de reforço para idosos. Mas, para isso, também depende do recebimento de novos lotes do imunizante.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários