Médicos afirmam que remédios para emagrecer proibidos já não eram prescritos
Pixabay/Pexels
Médicos afirmam que remédios para emagrecer proibidos já não eram prescritos

Especialistas ouvidos pelo GLOBO ressaltam que a decisão do STF de  proibir inibidores de apetite no país, na prática, terá poucas alterações relevantes na prática clínica. Das substâncias em questão, a sibutramina é a única utilizada em larga escala para o tratamento da obesidade e o resultado da votação não inviabiliza sua prescrição.

No caso da sibutramina, dizem os médicos, o uso estava liberado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde 2011.

"Essa proibição não traz nenhum impacto na rotina de prescrição. A sibutramina não saiu do mercado e vai continuar sendo comercializada" afirma a endocrinologista Maria Edna de Melo, diretora do Departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

Por outro lado, a proibição da venda dos anfetamínicos anfepramona, femproporex e mazindol, está válida. Esses medicamentos foram retirados do mercado no final de 2011 pela Anvisa, após uma revisão de estudos clínicos constatar que além de não comprovarem eficácia, eles estavam associados a graves efeitos colaterais. Na época, a sibutramina também foi reavaliada, mas os benefício apresentados superaram os riscos.

No entanto, estes medicamentos já tinham perdido a relevância na prática clínica desde a posição da Anvisa e e isso não foi retomado após sua liberação em 2017.

"Embora a lei tenha permitido a produção, comercialização e prescrição da anfepramona, femproporex e mazindol, a importação destes medicamentos não era permitida pela Anvisa, o que fez com que esses medicamentos fossem muito pouco prescritos por especialistas", explica Antonio Carlos do Nascimento, doutor em endocrinologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Leia Também

Leia Também

Além disso, no período surgiram opções mais eficazes e com menos efeitos colaterais, como a liraglutida.

A anfepramona, o femproporex e o mazindol são medicamentos chamados de anorexígenos. Eles agem no sistema da noradrenalina, um neurotransmissor que pode interferir na fome, no sono, no humor e também no sistema cardiovascular. Essas características tornavam essas drogas populares para outros fins.

"Por muito tempo foram vendidos clandestinamente para caminhoneiros e estudantes, um uso que precisava de repressão", diz Melo.

Já a sibutramina age de outra forma nos neurotransmissores e ajuda a controlar o peso atuando na saciedade. A diretora da SBEM ressalta que, quando bem utilizada, a substância ajuda no controle da obesidade:

"Não é ruim ter que tomar um remédio para emagrecer. O ruim é precisar perder peso, não conseguir e ficar sem tratamento".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários