Vacina da Janssen foi desenvolvida para ser aplicada em dose única
Divulgação/Secretaria Municipal da Saúde
Vacina da Janssen foi desenvolvida para ser aplicada em dose única

Uma dose de reforço da vacina da Janssen contra a Covid-19 — que é de dose única — foi 84% eficaz na prevenção de hospitalização em profissionais de saúde sul-africanos que foram infectados com a disseminação da variante Ômicron , disseram os pesquisadores nesta quinta-feira.

O estudo do mundo real, ainda não revisado por pares, foi baseado em uma segunda dose da vacina Janssenaplicada em 69.092 trabalhadores entre 15 de novembro e 20 de dezembro.

Foi demonstrado que o esquema de apenas uma dose oferece uma proteção muito reduzida contra a infecção pela Ômicron , que está se espalhando rapidamente por muitos países depois de ser identificada pela primeira vez na África Austral e em Hong Kong no final de novembro.

No entanto, vários estudos sugeriram que uma dose de reforço fornece proteção significativa contra doenças graves da variante.

O estudo sul-africano mostrou que a eficácia da vacina da Janssen na prevenção da hospitalização aumentou de 63% logo após a aplicação de um reforço para 84%, 14 dias depois. A eficácia atingiu 85% em um a dois meses após o reforço.

"Isso nos garante que as vacinas contra a Covid-19 continuam a ser eficazes para o propósito para o qual foram projetadas, que é proteger as pessoas contra doenças graves e morte", disse Linda-Gail Bekker, co-investigadora principal do estudo. Esta é mais uma prova de que não perdemos esse impacto, mesmo em face de uma variante muito mutante.

Leia Também

Bekker disse que o júri "ainda está decidindo" sobre a questão de mais reforços para a vacina da Janssen, que é administrada como uma única dose, sendo mais fácil de transportar para áreas rurais remotas da África do que a vacina da Pfizer, menos tolerante ao calor.

"O que estamos mostrando é que duas doses realmente restauram a proteção total, e não acho que podemos extrapolar a partir disso que vamos precisar de um terceiro ou quarto reforço", explica. 

Os pesquisadores disseram que sua análise tinha várias limitações, incluindo tempos curtos de acompanhamento. Isso durou em média oito dias para profissionais de saúde que receberam seu reforço nos 13 dias anteriores, ou 32 dias para aqueles que receberam reforço de 1-2 meses antes.

Em um comunicado da empresa, Mathai Mammen, chefe global da Janssen Research & Development, disse que a empresa acredita que a proteção pode ser devido às respostas robustas das células T induzidas pela vacina.

"Além disso, esses dados sugerem que a Ômicron não está afetando as respostas das células T geradas por nossa vacina", disse ele.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários