Vacinação infantil contra a Covid-19
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Vacinação infantil contra a Covid-19

O Instituto Butantan enviou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesta quarta-feira, novos dados para subsidiar o pedido de aprovação da  vacina CoronaVac para crianças de 3 a 5 anos.

A Anvisa analisará os dados para concluir se será necessário solicitar novos pareceres às sociedades médicas.

No início de março, o Butantan pediu à Anvisa autorização para uso da CoronaVac em crianças de 3 a 5 anos. A Anvisa, no entanto, considerou as informações insuficientes. Desde então a agência tem solicitado dados complementares ao Instituto para garantir que a vacina é segura e eficaz para a faixa etária.

Atualmente, a CoronaVac é liberada para uso em crianças e adolescentes acima de 5 anos. Além dela, a vacina da Pfizer também foi autorizada pela Anvisa nesta faixa etária.

"A Agência mantém o seu compromisso na avaliação das vacinas, fundamentando as suas ações na legalidade e nos parâmetros estabelecidos em suas normas, convergentes com as principais autoridades estrangeiras e com os princípios científicos", afirmou a Anvisa em nota.

O processo de autorização de vacinas para crianças e adolescentes sofreu resistência do governo federal. O presidente Jair Bolsonaro chegou a afirmar que divulgaria o nome de profissionais da Anvisa envolvidos na aprovação. A declaração gerou mal estar com o presidente da agência, Antônio Barra Torres.

A incorporação das doses pediátricas na rede pública também foi conturbada. O Ministério da Saúde realizou audiência pública sobre o tema antes de dar início à vacinação de crianças, o que não ocorreu com outros públicos.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários