Da mola à altura: Qual é o melhor colchão para uma boa noite de sono
Redação EdiCase
Da mola à altura: Qual é o melhor colchão para uma boa noite de sono

Comprar um colchão novo é sempre uma tarefa difícil, afinal, o produto tem um impacto grande no bem-estar diário, já que ele é um dos pilares para um sono revigorante.

Basta fazer uma pesquisa de mercado para encontrar modelos mais baratos e outros com o valor bem elevado. E aí vem o questionamento: será que o colchão mais caro é necessariamente o melhor? E a resposta é depende!

A posição em que a pessoa dorme — de lado ou de barriga para cima — assim como a preferência de conforto — se mais firme ou mais macio — são alguns dos pontos que devem ser considerados antes de escolher o colchão sobre o qual se vai dormir pelos próximos anos.

No entanto, a primeira dica que Rogério Coelho, presidente da Abicol (Associação Brasileira da Indústria de Colchão), dá é olhar se o modelo tem o selo do Inmetro e da associação. Essas certificações garantem que o produto foi submetido e aprovado em testes de segurança.

Identificados os selos de segurança, a próxima etapa é escolher o tipo de colchão ideal. Espuma, mola, altura, tecido... são muitas as variações que devem ser analisadas antes de bater o martelo.

"O consumidor deve ir a uma loja e ficar deitado por 5 a 10 minutos na posição em que costuma dormir para observar se vai sentir algum incômodo ou não, se aquele modelo é realmente adequado a suas necessidades", orienta Coelho, que complementa: "Muitas pessoas ficam com vergonha de fazer isso, mas essa é uma etapa necessária, já que a compra de um colchão é uma decisão muito importante."

Veja abaixo algumas considerações de Coelho alguns aspectos importantes dos colchões.

Espuma

Os colchões feitos apenas de espuma costumam ser mais firmes, pois é preciso mais de consistência para conseguir garantir a estrutura do produto. Por ser mais consistente, o colchão de espuma é mais indicado para pessoas que dormem de barriga para cima, já que há menos pontos de pressão do corpo sobre a cama.

Tabela de biotipo para colchões de espuma
Divulgação/INER 14.7.2022
Tabela de biotipo para colchões de espuma

Se na hora de escolher você quiser optar por um colchão de espuma mais fino, siga a tabela abaixo — que considera altura e peso — para escolher a densidade certa do melhor colchão para você.

Mola

O colchão de molas tende a ser mais macio e a "abraçar" o corpo que deita sobre ele. Por esse aspecto, ele é mais indicado para pessoas que dormem de lado, já que o ombro e o quadril fazem mais pressão sobre o colchão e o ideal é que ele afunde nessas áreas para poder manter a coluna reta.

Ao deitar de lado, o correto é que o colchão se molde de forma a manter a coluna reta (ilustração de baixo). Colchões muito duros ou muito moles tendem a curvar a coluna (ilustração de cima)
Divulgação/Abicol 14.7.2022
Ao deitar de lado, o correto é que o colchão se molde de forma a manter a coluna reta (ilustração de baixo). Colchões muito duros ou muito moles tendem a curvar a coluna (ilustração de cima)

"Pessoas que têm um sono mais leve devem optar pelo colchão de molas ensacadas, pois ele é mais estável e se mexe menos, diminuindo os riscos de acordar no meio da noite", orienta Coelho.

Ele alerta que quanto mais molas por metro quadrado, mais durável e confortável é o produto, já que o peso da pessoa é melhor distribuído e acomodado sobre o produto.

Altura

Quanto mais alto for o colchão, mais confortável e estruturado ele é, sendo ele de mola ou de espuma. No caso dos colchões de mola, um maior tamanho possibilita que haja uma camada generosa de espuma entre a superfície do colchão e as molas, garantindo maior conforto.

Já nos de espuma, o fabricante pode colocar as mais rígidas embaixo para dar sustentação e as mais macias em cima para gerar maior conforto.

Preço

Desconfie de colchões muito baratos: eles podem ser feitos de materiais frágeis ou que vão se deformar com muita rapidez, diminuindo a vida útil do colchão e podendo prejudicar sua coluna. Isso não significa que você precise, necessariamente, comprar os colchões extremamente caros — alguns modelos beiram R$ 50 mil.

Colchões intermediários costumam ter um bom custo benefício, somando preço e qualidade.

"Vale lembrar que não existe colchão terapeutico, que cura doenças. O que pode acontecer é você ter um colchão inadequado e sofrer com dores na coluna por conta dele e, ao trocar por um modelo adequado, essas dores passarem", afirma Coelho.

Tecido

Coelho afirma que, atualmente, os fabricantes estão investindo em tecnologias e desenvolvendo tecidos frios para os colchões, já que este é um produto que tende a esquentar durante a noite. A inovação é relevante para Brasil, considerando que é um país tropical.

Por exemplo, há colchões que são feitos com uma malha de fios de polietileno, que proporcionam um maior conforto térmico para o usuário.

Há tecidos que tendem a esquentar menos, como é o caso da viscose, que fica menos quente que o tecido sintético de poliester. Portanto, se você sente muito calor, vale a pena analisar também o tecido do colchão desejado.

Travesseiros

Colchão e travesseiro formam uma dupla imbatível quando o assunto é conforto e qualidade do sono. Pessoas que dormem de lado devem comprar travesseiros mais altos e firmes, pois eles devem dar sustentação ao pescoço, ajudando a manter a coluna reta.

Já pessoas que dormem de barriga para cima, devem optar por modelos mais finos e macios, pois o travesseiro não pode fazer com que a cabeça fique inclinada para cima.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários