Cientistas encontram 50 mutações em vírus da varíola dos macacos
Reprodução/Montagem iG 25.5.2022
Cientistas encontram 50 mutações em vírus da varíola dos macacos

Há uma série de características do surto atual da varíola dos macacos que intriga os cientistas, como as possíveis adaptações que levaram o vírus a se disseminar com mais facilidade entre humanos e causar pela primeira vez o número de casos que o mundo vive hoje.

Ontem, cientistas do Reino Unido publicaram um novo estudo na revista científica British Medical Journal (BMJ) que aponta ainda dois novos sintomas da doença, que não eram associados ao diagnóstico anteriormente. A partir da análise de pacientes infectados, eles concluíram que a dor na região anal e o inchaço peniano são manifestações comuns entre os contaminados.

“Novas apresentações clínicas de infecção por varíola dos macacos foram identificadas, incluindo dor retal e edema peniano. Essas apresentações devem ser incluídas nas mensagens de saúde pública para auxiliar no diagnóstico precoce e reduzir a transmissão posterior”, escreveram os autores do estudo, que destacam ainda que os sintomas foram os “mais comuns que exigiram internação hospitalar”.

O trabalho foi conduzido por pesquisadores da Fundação Guy's and St Thomas', do Sistema Nacional de Saúde britânico (NHS), que analisaram o perfil de 197 infectados com o vírus monkeypox no Reino Unido entre maio e julho deste ano. Os contaminados tinham em média 38 anos.

A atualização das diretrizes de saúde com os novos sintomas é importante, apontam os cientistas, uma vez que pelas orientações atuais 14% não se enquadravam como um “caso provável” da varíola símia. Outro achado importante no estudo foi que apenas 25% dos infectados relataram ter tido contato com uma pessoa que teve a doença confirmada, “levantando a possibilidade de transmissão assintomática ou paucissintomática (que apresenta poucos sintomas)”.

“A compreensão dessas descobertas terá grandes implicações para o rastreamento de contatos, conselhos de saúde pública e medidas contínuas de controle e isolamento de infecções”, defenderam os autores.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários