Tamanho do texto

Com o tempo, aprendemos que nem sempre a pressa é necessária. Porém, existem casos em que criança deve receber cuidados o mais rápido possível

Tente falar com o pediatra que acompanha a criança antes de correr ao pronto-socorro
shutterstock
Tente falar com o pediatra que acompanha a criança antes de correr ao pronto-socorro

Levar ou não levar a criança ao pronto-socorro é, para a maioria das mães, uma grande dúvida. Será que vai estar lotado? Será que meu filho pode pegar outro vírus e piorar? Será que é realmente necessário?

Leia também: Meu bebê acorda durante a noite. Você sabe o que pode ser?

Quando nasce uma criança, nasce uma mãe também. E esse novo ofício vem cheio de responsabilidades e de uma vontade imensa de fazer o melhor possível para aquele ser, que é totalmente dependente. Uma das situações mais estressantes para uma mãe é a primeira febre do seu bebê, e claro, o primeiro impulso é levá-lo ao pronto-socorro .

Quantas vezes você chegou ao hospital e se deparou com crianças correndo pela sala de espera? Com certeza, não são todas que precisariam estar ali, mas, a ansiedade de alguns pais, junto à dificuldade de falar com o pediatra que realiza o acompanhamento da criança, faz com que corram para o pronto-socorro mais próximo. E a culpa não é deles, afinal, não fizeram faculdade de medicina e, por isso, não sabem o que observar para avaliar se é um caso de urgência ou não.

Leia também: Tire todas as suas dúvidas sobre as cólicas no recém-nascido

Com o tempo, aprendemos que nem sempre a pressa é necessária. Porém, existem sim casos em que seu filho deve receber cuidados médicos o mais rápido possível. O que sempre oriento às mães é: você conhece o seu filho mais do que ninguém! Desse modo, observe os sinais que ele está mostrando para você!

Quando devo levar meu filho ao pronto-socorro?

Para ajudar, listo algumas situações em que a avaliação de médicos se faz necessária:

·  Diarreia e vômitos: O maior problema da diarreia e do vômito é a desidratação, principalmente em crianças pequenas e com doenças crônicas. Se seu filho está com febre associada, prostrado, houve diminuição da diurese e tem a boca seca, é melhor que seja avaliado pelo médico.

·  Febre: A febre não é uma doença, e sim um sintoma de uma doença. Deve-se ficar atento com crianças menores de três meses, se a febre persiste por mais de 72 horas, se vem acompanhada de manchas vermelhas pelo corpo, se seu filho tem desconforto respiratório, se está mais irritado ou prostrado, se apresenta sintomas urinários associados ou má coloração da pele.

Leia também: Já ouviu falar sobre a adolescência do bebê? Conheça

Caso a criança não tiver nenhuma dessas características associadas, medique-a e observe-a por 12 horas. Lembre-se que um antitérmico demora aproximadamente 40 minutos para agir.

·  Alergia ou urticária: Você deverá levar a criança imediatamente ao pronto-socorro se esses sintomas estiverem associados à tosse, edema em lábios ou rouquidão. Se houver somente coceira ou manchas vermelhas, tente falar com o pediatra e marcar uma consulta.

·  Cansaço e Desconforto respiratório: A criança deve ser encaminhada ao médico se apresenta esses sintomas e tem histórico de chiado no peito.

·  Convulsão: Importantíssimo levar ao pronto-socorro imediatamente. No caso de a criança convulsionar com febre, colocá-la no chuveiro com água morna para a temperatura abaixar e levar logo em seguida.

·  Intoxicação: Leve seu filho ao pronto-socorro com o máximo de informações possíveis sobre o produto responsável pela intoxicação (horário/nome da substância/ quantidade ingerida).

Se o seu filho não apresentar nenhum destes sintomas, tente falar com o pediatra que acompanha a criança antes de correr ao pronto-socorro , pois uma simples orientação pode evitar uma ida desnecessária ao hospital.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.