Tamanho do texto

O implante dental também está sujeito aos efeitos negativos de outras doenças bucais, como aquelas causadas pela placa bacteriana

Se você acabou de fazer um implante dental, parabéns! Este novo “dente" não é apenas realista, mas também durável: mais de 95% dos implantes sobrevivem muitos e muitos anos. Mas cuidado: a doença periodontal (gengiva) pode inviabilizar essa longevidade.

Leia também: Por que você deve exigir um implante dentário de qualidade

Mulher segurando palheta de implante dental próxima à boca arrow-options
shutterstock
Cuidar do seu implante dental é tão importante quanto cuidar dos seus dentes naturais

A doença da gengiva é desencadeada pela placa bacteriana, uma película fina de bactérias e partículas de alimentos que se acumulam nos dentes. Se não for tratada, a infecção enfraquece a sustentação da gengiva aos dentes e causa a perda óssea de suporte, levando eventualmente à possível perda de dentes. 

Algo parecido vale para um implante dental : embora o implante em si não possa ser afetado pela doença, as gengivas e o osso que o suportam podem. E assim como um dente pode ser perdido, o mesmo acontece com um implante.

Dr Bruno Puglisi explica que a doença da gengiva que afeta um implante é chamada peri-implantite . Geralmente começando com os tecidos da superfície, a infecção pode avançar (muito rapidamente) abaixo da linha da gengiva para eventualmente enfraquecer o osso no qual o implante se tornou integrado (um processo conhecido como osseointegração ). 

À medida que o osso se deteriora, o implante perde o suporte seguro criado pela osseointegração e pode, eventualmente, amolecer e se perder.

Leia também: Entenda como perder um dente pode mudar o seu rosto

Como em outros casos de doença gengival , quanto mais cedo detectarmos a peri-implantite, melhores serão as chances de preservar o implante. É por isso que, nos primeiros sinais de uma infecção na gengiva - inchaço, vermelhidão ou sangramento nas gengivas - você deve entrar em contato imediatamente com seu dentista.

Se você tem peri-implantite, nós dentistas identificamos e removemos manualmente toda a placa e cálculo (tártaro) que alimenta a infecção, o que também pode exigir acesso cirúrgico a depósitos de placas mais profundas.

As roscas ou espirais do parafuso do implante em uma infecção da gengiva podem tornar-se refúgios para as bactérias causadoras de doenças crescerem e se esconderem.

Evidentemente, a melhor maneira de tratar a peri-implantite é tentar evitá-la através da escovação diária e do uso do fio dental, e pelo menos duas vezes por ano (ou mais, se recomendarmos) visitas odontológicas para limpezas e exames radiograficos. 

Leia também: Dentes em um dia. O que são os implantes com carga imediata

Manter os tecidos de suporte livres de doenças aumentará as chances do implante dental para uma vida longa e útil.