Ministro da Saúde%2C general Eduardo Pazuello
Foto: Carolina Antunes/PR
Ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello



O ministro da Saúde do Brasil, Eduardo Pazuello, disse hoje (9) que a vacinação contra Covid-19 com a vacina da Pfizer/BioNTech pode começar entre dezembro e janeiro. 

Em entrevista exclusiva à CNN, Pazuello explicou que se o governo federal fechar o contrato com a Pfizer e houver registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o calendário será antecipado. "Se fecharmos o contrato com a Pfizer e se a Pfizer conseguir a autorização emergencial e a Pfizer nos adiantar alguma entrega, isso pode acontecer no final de janeiro ou em dezembro", afirmou.

Ainda de acordo com Eduardo Pazuello, o País só começará a vacinar em doses pequenas. "O uso emergencial pode acontecer agora, em dezembro, por exemplo? Em hipótese, se nós tivermos as doses recebidas, se nós fecharmos o contrato com a Pfizer. Isso pode acontecer no final de dezembro e começo de janeiro. Mas em doses pequenas”, disse o ministro.

O ministro disse ainda que o mesmo pode acontecer com a AstraZeneca e o Instituto Butantan. "Mas isso é foro íntimo da desenvolvedora, não é uma campanha de vacinação", declarou.

Em outro trecho da entrevista, voltou a citar a CoronaVac. Ele se refere ao imunizante como "do Butantan" e diz que, se o instituto tiver o registro da Anvisa, também pode contribuir com a vacinação entre dezembro e janeiro. Mas o ministro destaca que ainda não sabe com quantas doses da CoronaVac poderia contar.  

Pazuello cedeu ao âncora da CNN Kenzô Machida o plano de imunização contra a Covid-19, que tem 95 páginas. Pazuello destacou que o plano é nacional. "Nosso país jamais será dividido", disse, em crítica velada ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Pfizer Brasil vê possibilidade de iniciar vacinação em janeiro

O presidente da Pfizer Brasil, Carlos Murillo, disse na terça-feira (8), em audiência pública na comissão externa da Câmara dos Deputados sobre a Covid-19, que deve ser assinado, ainda nesta semana, o termo de intenção de compra pelo governo federal da vacina fabricada pela empresa e pela Biontech. 

Durante a sua fala, ele apontou a possibilidade de vacinação já em janeiro, mas não fez uma estimativa precisa de quantas doses seriam entregues. "Alguns países vão começar agora em dezembro. Nós, em dezembro, não conseguimos. Nosso objetivo realmente teria que ser janeiro", disse. 

Carlos Murillo disse acreditar que, no primeiro trimestre de 2021, possam ser vacinadas pelo menos 2 milhões de pessoas. "O concreto é que a oferta da Pfizer é de 70 milhões, com quantitativo que vai começando apenas depois de sair o registro da Anvisa, que pode ser em janeiro, e vamos aumentando esse quantitativo à medida que transcorrer o ano", afirmou o presidente da Pfizer.

O presidente da Pfizer destacou que a eventual demora do governo em assinar o contrato com a farmacêutica pode comprometer o cronograma de entrega das vacinas no quantitativo desejado. "Essa tem sido a dinâmica. Alguns países assinaram tempos atrás e por isso já estão começando a vacinar. No Brasil, acho que estamos perto, vamos conseguir, mas ainda não assinamos. Cria obviamente uma limitação de segurança da disponibilidade de doses", afirmou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários