Grupos de risco podem estar vacinados em todo mundo em até seis meses
Lucy Hooker e Daniele Palumbo - BBC
Grupos de risco podem estar vacinados em todo mundo em até seis meses

Após o Brasil atingir a marca de 200 mil mortes causadas pela pandemia de Covid-19  nesta quinta-feira (7), os esforços para se imunizar a população o mais rápido possível ganharam ainda mais necessidade de urgência. O iG conversou com um especialista em epidemiologia para tentar traçar os próximos passos para uma vacinação global eficiente. Confira: 

Para o epidemiologista Geraldo Ribeiro, se todos os processos para a aquisição dos imunizantes forem rápidos e eficientes, vários países - inclusive o Brasil - poderão vacinar a população, principalmente o grupo de risco, já no primeiro semestre deste ano.

"Acredito que, numa visão otimista, a maioria dos países do mundo conseguirá vacinar a população de risco para o Covid-19 no primeiro semestre deste ano (...). Isso seria um grande avanço".

Entretanto, ele ressalta que o fato de alguns países estarem adquirindo vacinas de mais de um fabricante pode ser um fator de atraso para a imunização de massa.  

"O fato da vacinação não ser em dose única pode fazer com que o processo não seja tão rápido como se fosse em uma única dose". E ressalta o fato da necessidade de haver uma diferença entre a aplicação da primeira e da segunda, que, normalmente, passa dos vinte dias.

"Além disso, existe uma questão de disponibilidade das vacinas para toda a população e da mesma marca, já que não se pode, nesse momento, misturar vacinas. Se fez a primeira dose de um produtor tem que fazer a segunda dose do mesmo", complementa o especialista.

Você viu?

Logística e distribuição no Brasil 

Do ponto de vista de logística e distribuição do imunizante, Ribeiro acredita que o país tinha potencial para fazer uma das melhores campanhas em massa do mundo, mas perdeu o ritmo por não se organizar a tempo.

"Nós somos talvez o país melhor preparado para fazer uma vacinação em massa. O pais já tem experiência em vacinações em massa, como por exemplo a da própria gripe, que vacina uma população parecida com a da Covid-19 anualmente (...) O problema que eu vejo foi de planejamento, porque nós, em termos nacionais, planejamos a campanha muito tarde, então nós não temos efetivamente vacinas e provavelmente ainda não temos nem todas as seringas necessárias".

Desafios para o país 

"Essas vacinações em larga escala trazem grande desafio, primeiro de pessoal: como é uma vacinação longa, feita em duas doses, você tem que utilizar pessoal que, no dia a dia, está realizando outras tarefas. A vacinação de rotina, por exemplo, (de outras doenças) não pode parar, além de outros atendimentos normais na rede de saúde", afirma o especialista.


Ele ressalta, porém, que, no caso do Brasil, "já há uma experiência em fazer esses serviços em simultâneo desde a década de 80 com as campanhas contra a poliomelite e outras doenças, por exemplo (...) esse desafio de recursos humanos é muito grande".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários