Variante ômicron preocupa especialistas ao redor do mundo
Viktor Forgacs / Unsplash
Variante ômicron preocupa especialistas ao redor do mundo

A nova variante da Covid-19, identificada pela primeira vez na África do Sul no dia 9 de novembro, foi nomidada "Omicron" pela Organização Mundial de Saúde. Segundo a OMS, a variante representa um risco global muito alto com grande potencial para graves consequências.

A Omicron já chamou a atenção em todo o mundo por causa do alto número de mutações que exibe em comparação com outras variantes de Covid. Outra preocupação é sobre a eficácia das vacinas já fabricadas e aplicas sobre a variante.

A ORIGEM DO NOME "OMICRON"

No início da pandemia, novas variantes do vírus SARS-CoV-2 receberam nomes científicos com uma combinação complexa de letras e números. 

Isso significava que, para abreviar, as variantes normalmente acabavam sendo referidas pelo país onde foram identificadas pela primeira vez - um sistema que, segundo os especialistas, resultou em problemas contra as pessoas desses países.

A OMS em maio de 2021 anunciou um sistema de nomenclatura simples para novas variantes do vírus. Dizia que cada nova variante teria o nome de letras sucessivas do alfabeto grego.

Leia Também

Uma das primeiras variantes com mutações significativas que foi sequenciada pela primeira vez na Grã-Bretanha - B.1.1.7 - foi chamada de alfa, e uma variante potencialmente ameaçadora que surgiu na África do Sul em 2020 foi chamada de beta.

Seguindo o método, a OMS nomeou na sexta-feira a nova variante B.1.1.529 de omicron, que é a 15ª letra do alfabeto grego. A letra omicron é equivalente a uma pequena letra “O” em inglês.

NU E XI IGNORADAS

Ao nomear a nova variante, duas letras que vêm no alfabeto grego antes do omicron - nu e xi - foram ignoradas. Muitos notaram que Xi é o sobrenome mais amplamente associado ao presidente chinês, Xi Jinping.

"'Nu' é muito facilmente confundido com 'novo', e 'xi' não foi usado porque é um sobrenome comum", disse a OMS em um comunicado à Reuters. "As melhores práticas da OMS para nomear doenças sugerem evitar causar ofensa a qualquer grupo cultural, social, nacional, regional, profissional ou étnico", acrescentaram.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários