Estima-se que quase 180 milhões de mulheres vivem com endometriose em todo o mundo, segundo a OMS
shutterstock
Estima-se que quase 180 milhões de mulheres vivem com endometriose em todo o mundo, segundo a OMS

A menstruação pode ser considerada um momento desconfortável para uma parcela das mulheres, e, para aquelas que possuem endometriose pode ser um verdadeiro período de tortura.

Isso ocorre porque a doença é caracterizada pelo crescimento endometrial fora do útero, gerando sintomas mais agudos durante o período menstrual. Alguns sintomas são desconforto durante relações sexuais, infertilidade, dores e sangramento intestinais e urinários durante a menstruação.

A endometriose é uma modificação no sistema funcional do organismo inflamatória, provocada por células do endométrio que, ao invés de serem expelidas, migram para o sentido oposto e caem nos ovários ou na cavidade abdominal, onde voltam a se multiplicar e sangrar no próximo período menstrual. Esse sangramento pode não ocorrer em todos os locais onde o endométrio se instala, mas podem provocar inflamações a longo prazo .

iG promove a 1ª Semana da Saúde entre os dias 14 e 18 de junho
pixabay/iG
iG promove a 1ª Semana da Saúde entre os dias 14 e 18 de junho

De acordo com cientistas, as causas dessa doença são incertas e podem ser relacionadas a genética e ao sistema imunológico . Algumas das causas genéticas estão ligadas aos altos níveis de aromatase (enzima que converte estrogênio) ou as mutações que fazem com que as células não morram, mas se proliferem.

A menstruação atrasada também pode ser uma causa, onde ela não é eliminada de forma correta, se acumulando nos órgãos pélvicos.

Você viu?

Geralmente os sintomas envolvem dor e infertilidade , além de cólicas menstruais intensas, dores durante a menstruação, dor pré-menstrual, dor durante as relações, dor difusa na região pélvica , sangramento intenso ou irregular, alterações intestinais ou urinarias durante o período menstrual e dificuldade para engravidar ou infertilidade.

O diagnóstico ocorre geralmente por volta dos 30 anos da mulher. O primeiro passo é procurar um ginecologista em caso de suspeita, o profissional irá analisar os sintomas e o histórico da paciente, para, posteriormente realizar alguns exames clínicos.

Por ser uma doença crônica , que regride espontaneamente durante a menopausa devido à queda dos hormônios femininos o tratamento pode ser feito para combater as dores através de medicamentos ou cirurgia , que será melhor avaliado pelo profissional de acordo com cada caso.

Para  participar da Semana da Saúde e obter informações, inscreva-se neste formulário e ainda ganhe 5 e-books, sobre os temas da Semana, gratuitamente, sem sorteio:


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários