Tamanho do texto

Esse é o primeiro caso confirmado no estado, segundo a Secretaria de Saúde; a doença é altamente contagiosa e a vacina é a única forma de preveni-la

Uma moradora da região metropolitana de Curitiba, de 41 anos, foi diagnosticada com sarampo. Esse é o primeiro caso no Paraná confirmado pela Secretaria de Saúde do estado na quarta-feira (7). Por meio de nota, a secretaria informou que a paciente viajou em julho para São Paulo, estado que vive o surto da doença.

Leia também: Crianças que vão viajar para cidades com surto de sarampo devem ser vacinadas

vacina contra o sarampo arrow-options
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Uma mulher do Paraná foi diagnosticada com sarampo após voltar de viagem de São Paulo; é o primeiro caso do estado

De acordo com a secretaria, a mulher, que vive em Campina Grande do Sul, está em isolamento, e os procedimentos de bloqueio vacinal seletivo nas pessoas que tiveram contato com ela já foram realizados. A paranaense esteve em São Paulo entre 15 e 22 de julho e começou a apresentar os sintomas na última sexta-feira (2).

Ainda segundo com o comunicado, o Paraná acompanha mais dois casos de pessoas com suspeita de sarampo . Enquanto os resultados dos exames não ficam prontos, a secretaria realiza bloqueio vacinal preventivo nas pessoas que tiveram algum tipo de contato com os pacientes e o isolamento domiciliar ou hospitalar.

Leia também: Campanha de vacinação contra o sarampo começa nas escolas de São Paulo

“Pedimos que todos os profissionais de saúde fiquem atentos aos sintomas e notifiquem à vigilância epidemiológica municipal os casos suspeitos, para que possamos acionar as medidas necessárias para o bloqueio vacinal seletivo nos contatos suscetíveis após exposição”, destaca a coordenadora de Vigilância Epidemiológica, Acácia Maria Lourenço Francisco Nasr.

“Como a contaminação é pelo ar, qualquer contato com uma pessoa doente é um risco alto de transmissão”, completa.

Sintomas do sarampo

O sarampo é uma doença infecciosa, transmitida por vírus e que pode ser contraída por pessoas de qualquer idade. As complicações decorrentes da doença são mais graves em crianças menores de cinco anos. O vírus é transmitido pela respiração, fala, tosse e pelo espirro. As micropartículas virais ficam suspensas no ar – daí o alto poder de contágio.

Leia também: Fake news: 9 mitos sobre o sarampo nos quais você não deve acreditar

Os sintomas mais comuns são: febre alta, dor de cabeça, exantema (manchas avermelhadas na pele que aparecem primeiro no rosto e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo), tosse, coriza e conjuntivite. Como não existe tratamento específico para o sarampo , é importante ficar atento caso alguém com quem teve contato fique doente.