Tamanho do texto

Na capital, a Secretaria Municipal de Saúde já registrou 997 casos da doença

A campanha de vacinação contra o sarampo foi prorrogada até o final do mês na cidade de São Paulo para crianças de 6 a 11 meses e jovens de 15 a 29 anos de idade. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, o objetivo da ação, iniciada no dia 10 de junho, é aumentar a cobertura vacinal e conter o aumento da doença, que já tem 997 casos na capital.

Leia também: Não é só doença de criança: sarampo em adultos também traz riscos à saúde

vacinação arrow-options
shutterstock
Segundo a Secretaria de Saúde, o objetivo da ação é aumentar a cobertura vacinal e combater o aumento do sarampo

De acordo com a secretaria, até o momento a cobertura beneficiou 35,4% de jovens com idades entre 15 a 29 anos e 41,3% dos bebês de 6 a 11 meses, como resultado da estratégia adotada durante a ação. A instalação de postos volantes em locais de grande circulação de pessoas, como estações de trens, metrô e terminais de ônibus e, mais recentemente, em creches, escolas e universidades, facilitou a operação de vacinação contra o sarampo .

Leia também: Fake news: 9 mitos sobre o sarampo nos quais você não deve acreditar

“As ações de bloqueio da doença têm objetivo de interromper a transmissão da doença, independentemente da confirmação do diagnóstico. Os bloqueios são desencadeados na residência do paciente com suspeita da doença , bem como em locais frequentados por ele, como escola ou local de trabalho. Neste ano, já foram realizadas mais de 3 mil ações do tipo em toda a cidade”, informou o órgão, em nota.

Leia também: Sarampo pode levar à morte; por que pessoas de 15 a 29 anos devem se vacinar

De acordo com boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde, desde o início do ano até o dia 13 de agosto foram registrados 8.609 casos suspeitos de sarampo , 1.319 confirmados, 734 descartados e 6.556 estão em investigação. Até o momento, não há registro de morte no estado. Os casos suspeitos e confirmados estão distribuídos em 50 municípios, com o maior percentual dos casos confirmados na faixa etária de 15-29 anos (44,4%).