Tamanho do texto

São 5.139 casos foram confirmados em São Paulo, sendo 2.897 só na capital

Mais duas mortes por sarampo foram confirmadas na última quarta-feira (25) na capital paulista, de acordo com a Secretaria de Saúde de São Paulo. As vítimas são uma mulher de 31 anos sem histórico de vacinação e um bebê do sexo masculino de 26 dias.

Leia também: Não é só doença de criança: sarampo em adultos também traz riscos à saúde

médico segurando vacina arrow-options
shutterstock
Já são cinco mortes e 5.139 casos confirmados em São Paulo; vacinação é importante para prevenção da doença


Até o momento, foram confirmadas cinco mortes provocadas doença no estado. No final de agosto, foram três vítimas:  um homem de 42 anos , da capital, sem histórico de imunização contra a doença, e dois bebês – uma menina de 4 meses, de Osasco, e um garoto de 9 meses, também da cidade de São Paulo.

O Centro de Vigilância Epidemiológica estadual monitora a circulação do vírus do sarampo . Este ano, até o momento, 5.139 casos foram confirmados em São Paulo, sendo que, desses, 56,3% se concentram na capital, onde foram contabilizados 2.897 casos.

Vacinação

Segundo a secretaria, o Programa Estadual de Imunização prevê que crianças e adultos com idade entre 1 ano e 29 anos recebam duas doses da vacina contra o vírus. Acima dessa faixa etária, até 59 anos, é preciso receber uma dose. Não há indicação para pessoas com mais de 60 anos porque considera-se que esse público potencialmente teve contato com o vírus no passado.

Leia também: Crianças que vão viajar para cidades com surto de sarampo devem ser vacinadas

A recomendação para mães de crianças com idade inferior a 6 meses é evitar exposição a aglomerações, manter a higienização adequada e a ventilação de ambientes e que procurem imediatamente um serviço de saúde diante de qualquer sintoma da doença, como manchas vermelhas pelo corpo, febre, coriza, conjuntivite e manchas brancas na mucosa bucal.

O  sarampo  é uma doença altamente infecciosa, transmitida por via respiratória. O período de incubação é de aproximadamente dez dias, e uma pessoa infectada pode transmitir o vírus antes mesmo do aparecimento das manchas vermelhas na pele, o sintoma mais visível.