O avanço do novo coronavírus no Brasil demanda certa preocupação e cuidados. Ao mesmo tempo, “dicas de saúde” surgem nas redes sociais com informações falsas que, em vez de ajudar, podem representar um risco enorme e dificultar a prevenção adequada. Entre as receitas caseiras mais comuns estão chás, óleos e até bebidas alcoólicas que podem eliminar o vírus.

Leia mais: Entenda a diferença entre Covid-19, resfriado e gripe

vinagre arrow-options
shutterstock
vinagre na limpeza da casa não surte efeito contra o coronavírus

O Ministério da Saúde, porém, reforça que até o momento não há medicamento específico, vacina, infusão ou óleo essencial que possam prevenir a infecção pelo novo coronavírus .

Para alertar a população sobre os riscos de informações falsas sobre o assunto, a pasta inseriu um canal exclusivo de checagem no site oficial e no aplicativo sobre o Covid-19. Outras instituições de Saúde, como a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), também oferecem materiais de checagem regular. 

Abaixo, os 5 mitos mais comuns sobre a prevenção e cura da nova doença. 

1. Chá de abacate com hortelã 

Um boato que ganhou grande proporção pelo Whatsapp afirma que “uma revelação de Nossa Senhora de Fátima” teria apontado uma infusão específica contra a doença. Embora a bebida, por si só, não prejudique o corpo humano, também não existe nenhuma comprovação sobre sua eficácia contra o Covid-19 . O risco está no fato de que, ao ingerir o preparo, pessoas infectadas acreditem em uma cura que não aconteceu, transmitindo a doença para outras pessoas.

A receita é mencionada no site da Fiocruz, com o aviso de que “até o momento, não há nenhum medicamento, substância, vitamina, alimento específico ou vacina que possa prevenir a infecção pelo novo coronavírus”. 

Leia mais: Ministério da Saúde desaconselha uso do ibuprofeno

2. Uísque e mel contra coronavírus

O boato surgiu ainda no início do surto, quando um professor britânico afirmou ao portal The Sun que a mistura alcoólica com mel teria sido responsável pela sua cura. A dica, porém, pode piorar ainda mais o quadro dos infectados, já que o álcool presente do uísque pode sobrecarregar o corpo.

Existe ainda o argumento de que, por ser sensível ao álcool, o vírus morreria com a mistura dentro do corpo humano. É importante destacar, porém, que infecções virais seguem um ciclo natural até serem tratadas pelo próprio corpo, não existindo assim uma cura propriamente dita. 

3. Alho e água quente 

Outra informação falsa bastante compartilhada pelo Whatsapp, a receita que orienta uma espécie de infusão de dentes de alho com água para a “cura imediata” do coronavírus também oferece riscos por substituir a prevenção real contra o vírus e, assim, contribuir para a desinformação em um momento de emergência. 

4. Chá imunológico combate o novo coronavírus

chá arrow-options
shutterstock
Alimentos que fortalecem a imunidade previnem doenças, mas não combatem o vírus


Embora exista, de fato, algum embasamento no fortalecimento do sistema imunológico como forma de prevenção ao novo vírus e no fortalecimento da saúde em geral, é importante destacar que prevenção e cura são diferentes.

Limão, alho, beterraba e gengibre são alguns dos ingredientes citados pelas correntes que circulam tanto pelo Whatsapp quando pelo Twitter. As receitas são úteis, sim, para garantir uma alimentação equilibrada e suprir nutrientes importantes para o corpo, mas não combatem a doença caso o paciente já esteja infectado e não devem substituir a prevenção básica. 

Leia mais: Vacina contra a gripe pode prevenir o coronavírus? tire suas dúvidas

5. Vinagre para desinfetar 


Em um vídeo bastante popular no Facebook, um suposto profissional de saúde menciona o esgotamento do álcool gel nas prateleiras de farmácias e oferece uma alternativa: o vinagre, que seria ainda mais eficaz para higienizar as mãos e o ambiente e, assim, combater o novo coronavírus. 

Preocupado com a disseminação de informações falsas, porém, o Conselho Federal de Química (CFQ) informou que o vinagre é um “produto relativamente ineficaz na destruição de microrganismos ”, uma vez que sua composição é a base de ácido acético, um ácido considerado fraco que é pouco eficaz na desnaturação de proteínas.

Sobre o mesmo assunto, o Ministério da Saúde também emitiu uma nota e destacou que “o álcool em gel 70% ou líquido é um dos principais métodos de prevenção contra o coronavírus ”. Para contornar a falta do produto para vende devido a alta procura, até mesmo farmácias de manipulação estão autorizadas a produzir álcool em gel. 

É importante lembrar, porém, que apenas estabelecimentos especializados e autorizados podem manipular o álcool. Não existe maneira segura ou eficaz de produzi-lo em casa. 


    Veja Também

      Mostrar mais