shopping
Agência Brasil
Esterilização do ar é alternativa para ambientes fechados que buscam reabertura

Se hoje não é possível imaginar um shopping ou loja de roupas no Brasil sem um aparelho de ar-condicionado, em pouco tempo talvez o senso comum inclua, também, ferramentas que auxiliam na segurança sanitária e desinfecção  completa dos ambientes. 

“Mesmo após o desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19 , o mundo vai funcionar numa outra dinâmica. Não seremos mais os mesmos depois de uma pandemia”, avalia a pneumologista Marina Barros, que reforça: “Até então, a perspectiva de uma sala limpa fora do ambiente científico ou hospitalar parece fora da nossa realidade. Mas quando nós imaginamos que todas as pessoas na rua usariam máscaras?”, diz. 

Leia mais:

A sala limpa ou clean room, citada pela profissional de saúde, é um ambiente utilizado para testes ou produção de itens que demandam um controle de micro-organismos no ar. O local foi uma das inspirações para a produção do Purifica, um aparelho desenvolvido no Brasil e que promete reduzir em até 99,97% a carga viral dos ambientes. Fabricado pela Baumer inicialmente visando a segurança de hospitais, o produto é hoje um das possibilidades de adaptação para espaços com aglomeração de pessoas, como shopping centers e cinemas.

Apesar da proposta segura, porém, o aparelho -- de funcionamento complementar ao de um ar-condicionado -- não garante a impossibilidade de contágio ou substitui as medidas de prevenção contra a Covid-19. “Mesmo pequeno, ainda existe um índice de partículas que permanecem no ar. Por isso, nós temos o cuidado de alertar que ele não substitui a higiene das mãos ou o uso de máscaras, por exemplo. As medidas de prevenção devem ser usadas em conjunto”, explica Maria Eduarda Baumer, diretora da empresa responsável pelo desenvolvimento do produto. De acordo com a empresária, o esterilizador deve estar inserido no cotidiano pós-pandemia, quando a preocupação com a segurança ainda será prioridade no mundo. 

O infectologista Luciano Arraes, do Hospital Universitário Oswaldo Cruz, também alerta que os ambientes públicos , mesmo esterilizados, não devem passar uma ideia de completa imunidade contra o vírus. “A filtração de ar completa só é possível em ambientes muito pequenos e com uma circulação restrita de pessoas, como salas de cirurgia e unidades de terapia intensiva”, defende. 

A empresa baseia-se em estudos que apontam a presença do novo coronavírus (Sars-CoV-2) em partículas como gotículas de saliva, poluição e poeira . Neutralizando as partículas, então, é possível reduzir a transmissão do vírus entre os indivíduos. 

“Diferentemente do que temos até hoje no mercado, o projeto Purifica age de baixo para cima, num mecanismo que chamamos de ‘clean room invertido’. É perto do chão que estão as partículas capazes de transportar os vírus e bactérias, então o aparelho limpa esse ar e o devolve purificado para cima”, explica o gerente de controle de infecções da empresa, Gerson Luqueta. O profissional ainda destaca que a capacidade do aparelho deve ser alinhada ao número de pessoas presentes no ambiente, cálculo que considera o tamanho do local e a velocidade de ação no ar.


    Veja Também

      Mostrar mais