Ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello
Carolina Antunes/PR
Ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello

O ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello , fez críticas à imprensa nesta quinta-feira (7) e deixou entrevista coletiva sem responder às perguntas de jornalistas. A entrevista foi realizada para a pasta dar mais detalhes da medida provisória sobre a compra de vacinas e insumos para a imunização da população contra a Covid-19 , doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2).

De acordo com o ministro, o chefe da pasta não precisa falar sempre e todas as informações passam por ele antes de serem divulgadas. "É assim que funciona. Meu executivo responde por mim. Se precisar de alguma correção, eu falo. Eu corrijo, mas quando eu falo não precisa ter correção", disse o general.

Para sair antes do fim da entrevista coletiva, Pazuello justificou que tinha "outros compromissos" durante o dia e participaria de uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Ao se referir aos veículos de imprensa, o general disse que "é difícil ter profissionais de nível e fazer a comunicação correta" e ainda falou em "desinformação". "O assunto comunicação é assunto diário no Ministério da Saúde. É muito complicado chegar à efetividade e à eficácia necessária", completou o ministro.

Em alguns momentos, Pazuello criticou também o trabalho de fotógrafos. "Eu não posso levantar o dedo uma vez que os fotógrafos já apontam a máquina fotográfica para mim", comentou.

Minutos depois, quando voltou a fazer gestos com a mão levantada, o ministro voltou a tocar no assunto e fez uma breve reclamação. "Quer tirar foto?", disse ao repetir a posição que tinha feito anteriormente. "Que chato", emendou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários