Pós-Covid: exercícios físicos e dieta adequada são a chave para recuperação
Matheus Barros
Pós-Covid: exercícios físicos e dieta adequada são a chave para recuperação

Não é novidade para ninguém que além de afetar muito a saúde de pacientes durante o período de infecção, a Covid-19 também gera alguns  sintomas de longa duração que acompanham as pessoas mesmo depois da recuperação.

Fazem parte do chamado “Pós-Covid”, sintomas como: dificuldades cardiorrespiratórias, fraqueza muscular, fadiga e cansaço em excesso. Tais problemas podem afetar atividades rotineiras, como comer, andar ou até mesmo levantar de cadeiras e sofás.

Pensando em uma maneira para tratar esses pacientes durante a fase pós-Covid, os pesquisadores da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da Universidade de São Paulo (USP) apontaram que a melhor saída é investir em exercícios físicos.

De acordo com o estudo, atividades físicas, principalmente aeróbicas, fazem com que o corpo humano resgate a funcionalidade da enzima ECA2, que funciona como um receptor do SARS-CoV-2. A disfunção da enzima pode fazer com que quadros de inflamação apareçam, aumentando a morte de células do tecido nervoso.

Você viu?

Problemas na enzima ECA2 podem resultar até mesmo no desenvolvimento de problemas como depressão e ansiedade.

Desnutrição no pós-Covid

Outro problema recorrente em pessoas que sobreviveram a Covid-19 é a dificuldade deglutir alimentos e até mesmo perda de olfato e paladar prolongada. Segundo especialistas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), não há um alimento que ajude especificamente nesta recuperação, mas uma dieta adequada pode gerar melhores respostas.

A professora de Nutrição da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Sônia Alscher, relata ainda que pacientes da Covid-19 podem ter o estado nutricional afetado já que a falta de apetite, paladar e olfato levam à baixa ingestão alimentar.

O estudo italiano Nutritional management of covid-19 patients in a rehabilitation unit, mostra que a desnutrição em pacientes que passaram por uma forma grave da Covid-19 é uma sequela recorrente. Os autores do estudo destacam que, de acordo com os parâmetros do Malnutrition Universal Screen Tool (MUST), entre os pacientes acompanhados, 45% tinham alto risco de desnutrição, enquanto outros 26% apresentavam risco moderado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários