SP vai iniciar vacinação com dose extra na segunda (6) para idosos acima de 60
Agência Brasil
SP vai iniciar vacinação com dose extra na segunda (6) para idosos acima de 60

O governo de São Paulo anunciou, nesta quarta-feira (1), que vai começar a imunizar idosos com mais de 60 anos contra a Covid-19 com a  3ª dose da vacina a partir da próxima segunda-feira (6).

Na primeira fase desta etapa de  vacinação complementar, os idosos com mais de 60 anos e os imunossuprimidos serão vacinados contra a Covid-19. As regras para os idosos para tomar a 3ª dose são: ter se vacinado com a 2ª dose há, pelo menos, 6 meses (entre fevereiro e março).

O governo de São Paulo estima que o público-alvo nessa primeira etapa seja de, aproximadamente, 1 milhão de pessoas. Esta etapa da vacinação em pessoas idosas acima de 60 anos e imunossuprimidos vai começar na segunda-feira (6) e vai até o dia 10 de outubro.

Para os imunossuprimidos espeficificamente, todos aqueles acima de 18 anos já estão elegíveis para tomar a dose adicional contra a Covid-19. Para este grupo, é preciso ter completado o esquema vacinal (duas doses ou dose única quando for o caso) há, pelo menos, 28 dias.

Os imunossuprimidos são os transplantados, pacientes em hemodiálise, quimioterapia, Aids, entre outras.

Você viu?

"O que se observou é que, acima dos 80 anos de idade, você tem uma redução do fator imunoprotetor independentemente de qual é a vacina utilizada, ou seja, qualquer imunizante, tanto imunizantes inativados, vetor viral, vacina de RNA mensageiro. Todas as vacinas têm esse perfil", afirmou Sérgio Cimerman, infectologista do hospital Emílio Ribas, que participou da coletiva do governo de SP.

Sendo assim, a situação fica da seguinte maneira:

  • De 06/09 a 12/09 – Maiores de 90 anos
  • De 13/09 a 19/09 – De 85 a 89 anos
  • De 20/09 a 26/09 – De 80 a 84 anos e imunossuprimidos com mais de 18 anos
  • De 27/09 a 03/10 – De 70 a 79 anos
  • De 04/10 a 10/10 – De 60 a 69 anos

Confira o calendário completo na sequência:



Plano diferente ao do Ministério da Saúde

O plano de vacinação apresentado no estado de São Paulo para as doses adicionais difere daquele elaborado pelo governo federal. O Ministério da Saúde recomendou a dose de reforço para pessoas com mais de 70 anos e imunossuprimidos, e determinou que a imunização deverá ser feita, de preferência, com uma dose da Pfizer.


Estudos sobre a mistura de doses 

Atualmente, existem pelo menos quatro estudos em andamento que avaliam a possibilidade de uma dose de reforço para as vacinas contra Covid-19 usadas em território nacional. Esses estudos avaliam as seguintes possibilidades:

  • Duas doses de Pfizer, seguidas de outra dose de Pfizer;
  • Duas doses de AstraZeneca, seguidas de uma outra dose de uma nova versão da AstraZeneca;
  • Duas doses de AstraZeneca, seguidas de uma outra dose da mesma versão da AstraZeneca;
  • Duas doses de CoronaVac, seguidas de um dos quatro imunizantes a seguir: Pfizer, AstraZeneca, Janssen e CoronaVac

Entretanto, ainda não existem estudos que avaliem a aplicação de um reforço com CoronaVac em pessoas imunizadas com Pfizer e AstraZeneca.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários