Covid-19: Bolsonaro homenageia autor de estudo sobre ineficácia da cloroquina
Reprodução
Covid-19: Bolsonaro homenageia autor de estudo sobre ineficácia da cloroquina

O presidente Jair Bolsonaro homenageou um pesquisador brasileiro que fez o primeiro estudo a demonstrar a ineficácia da  cloroquina no tratamento contra a Covid-19. Bolsonaro, que é defensor do  uso da cloroquina, admitiu na Ordem Nacional do Mérito Científico o infectologista Marcus Lacerda, da Fiocruz Amazônia, que sofreu ataques e ameaças devido a sua pesquisa.

A Ordem do Mérito Científico tem como finalidade homenagear personalidades que "se distinguiram por suas relevantes contribuições prestadas à Ciência, à Tecnologia e à Inovação". No mesmo decreto, publicado na quinta-feira no Diário Oficial da União (DOU), Bolsonaro admitiu a si mesmo como "grão-mestre" da ordem, algo que já está previsto no regulamento da condecoração.

A admissão na ordem é prerrogativa do presidente da República, que avalia nomes apresentados pelo ministro das Relações Exteriores. A indicação precisa ter recebido parecer favorável do Conselho da Ordem — formado pelo chanceler e pelos ministros da Ciência e Tecnologia, da Economia e da Educação.

Podem apresentar sugestões ao chanceler membros do próprio conselho, a Academia Brasileira de Ciências ou "autoridade da área da ciência, tecnologia e inovação".

Leia Também

Presidente criticou estudo

Em março de 2020, no início da pandemia de Covid-19, Lacerda conduziu um estudo clínico que mostrou que as doses de cloroquina que normalmente funcionam em pacientes de malária e lúpus — destinação original do medicamento — não funcionavam para a Covid, e que, sob doses maiores, a cloroquina provocava arritmia cardíaca.

Leia Também

Após a repercussão do estudo, o infectologista passou a sofrer ameaças e teve que andar com seguranças. A pesquisa foi criticada pelo próprio Bolsonaro:

"Espero que a experiência de Manaus, com doses cavalares de hidroxicloroquina, seja completamente desnudada pelos senadores", disse o presidente em maio deste ano, sugerindo que a recém-instalada CPI da Covid investigasse o assunto.

Ao falar em "doses cavalares", Bolsonaro referiu-se à crítica de que a pesquisa teria utilizado doses de cloroquina além do nível recomendado, o que teria levado à morte dos pacientes. Entretanto, o estudo, que foi publicado na prestigiada revista científica Journal of the American Medical Association (Jama), mostrou que os que os trabalhos foram interrompidos bem antes da ocorrência dos óbitos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários