Tamanho do texto

Colunista lista cuidados a pessoa deve ter para conter o avanço da doença

A doença de Alzheimer é a mais frequente forma de demência em pessoas acima de 65 anos, que começa com a perda de memória recente, provocando a perda de orientação de tempo, aprendizagem e até a capacidade de realizar tarefas cotidianas.

Leia também: Tem dúvidas sobre radiografia odontológica? Doutor Bruno Puglisi responde

mulher no dentista arrow-options
shutterstock
Algumas dicas simples ajudam a evitar o avanço do Alzheimer

Os pesquisadores determinaram que a doença da gengiva (gengivite) desempenha um papel decisivo em saber se uma pessoa desenvolve ou não o Alzheimer .

Existem estudos e provas baseadas no DNA de que a bactéria causadora de gengivite pode se mover da boca para o cérebro. A bactéria produz uma proteína que destrói as células nervosas do cérebro, o que, por sua vez, leva à perda de memória e, em última análise, à doença de Alzheimer. 

Leia também: Bichectomia: o procedimento que diminui as bochechas

No Brasil, estima-se que 55 mil novos casos de demências ocorram todos os anos, a maioria decorrentes de Alzheimer. Pesquisadores na Austrália têm trabalhado na criação de uma vacina contra a bactéria, o que seria um grande avanço e, se ela também ajudar a deter o mal de Alzheimer, o impacto pode ser enorme. 

A Periodontia é a especialidade odontológica que trata as doenças das gengivas e tecidos de sustentação dos dentes. Isso não quer dizer que todas pessoas com problemas na gengiva terão a doença de Alzheimer , mas é mais um motivo para que tenhamos mais cuidados com  a limpeza de nossa boca. 

Leia também: Sim, é possível perder um implante dental da mesma forma que se perdem os dentes

Enquanto isso, a prevenção ainda é o melhor caminho. Dr Bruno Puglisi diz que para atrasar o aparecimento dos sintomas e o avanço da doença, o estudo cita alguns métodos simples, como ter o hábito de escovar constantemente os dentes e utilizar fio dental, cuidar regularmente da saúde geral e visitar o seu dentista a cada seis meses.