Supremo Tribunal Federal (STF)
Reprodução
Supremo Tribunal Federal (STF)



O ministro Luiz Fux do Supremo Tribunal Federal aceitou o pedido da prefeitura do Rio e reestabeleceu, na tarde desta quinta-feira, a "eficácia plena" do decreto municipal que estabelece o passaporte da vacina na cidade.

"DEFIRO a liminar, para suspender a decisão proferida no Agravo de Instrumento (..), em trâmite no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, de modo a restabelecer a plena eficácia do Decreto nº 49.335, de 26 de agosto de 2021, do Prefeito do Rio de Janeiro, até ulterior decisão nestes autos. Comunique-se com urgência o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro", decidiu o presidente do STF.


A decisão também suspende uma liminar concedida na última semana que desobrigava o Clube Militar e o Clube Naval do Rio de Janeiro a pedirem a comprovação vacinal para acesso de seus sócios.  Fux ordenou que as partes sejam notificadas e pediu vistas para o pronunciamento da Procuradoria-Geral da República sobre o tema.

A Procuradoria Geral do Município do Rio (PGM) protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) o pedido de cassação da liminar que suspendeu o "passaporte da vacina no Rio". Segundo a prefeitura, entre os argumentos utilizados é que o decreto municipal está amparado em "evidências relacionadas à eficácia das vacinas e na avaliação dos espaços de potencial transmissão do vírus".

Leia Também

Ainda segundo a PGM, a suspensão da comprovação vacinal "torna a eventual manutenção da decisão recorrida uma ameaça à segurança jurídica, à ordem administrativa e à saúde pública."

Decisões judiciais conflitantes
Desde a criação do “passaporte da vacina” na cidade do Rio, o Tribunal de Justiça recebeu diversos pedidos para anular o decreto de Eduardo Paes. Somente nesta quarta-feira, duas decisões dadas sobre o tema por desembargadores em um espaço de poucas horas são conflitantes: um suspendeu a obrigação do passaporte e outro negou a suspensão.

Na avaliação do professor de Direito Administrativo da UniRio e da UFRRJ Emerson Affonso da Costa Moura, o assunto ainda pode ter decisões diferentes enquanto não for julgada a causa por um órgão superior ou o mérito do decreto.

"Enquanto julgarmos a demanda individual a tendência é não ter pacificação. Só virá se a ação não discutir em face de “Antônio” ou “Pedro”, mas se discuta se em tese viola ou não a constituição. Como são ações de natureza individual não tramitam na mesma Câmara e são distribuídas pelo sorteio", afirma.

O especialista ainda diz acreditar que a decisão do desembargador Paulo Rangel, que suspendeu o passaporte, deve ser revista em breve. Para Affonso, que também é Diretor do Instituto de Direito Administrativo do Rio de Janeiro, a lei determina que, durante o estado de emergência de saúde pública, podem ser adotadas diversas medidas de polícia, como a restrição temporária da locomoção.

O advogado avalia também que a argumentação usada pelo desembargador para suspender o passaporte possui uma natureza mais "política que jurídica" e que o instrumento de Habeas Corpus coletivo não se encaixa no pedido:

"Medidas como lockdown e quarentena estão previstas em lei e o Supremo tem reforçado a constitucionalidade dela nos julgamentos. Além disso, em tese o Habeas Corpus, como é um instrumento individual, só pode gerar consequências para o sujeito. O HC coletivo tem que pressupor um conjunto de pessoas que atendam ou terem algum tipo de vinculação entre si. O coletivo não pode ser toda a coletividade. Vamos considerar um grupo de todos não vacinados? Para suspender a eficácia do decreto deveria ser uma representação de constitucionalidade no Tribunal de Justiça ou uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental no Supremo Tribunal Federal", explica. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários