Carlos Lula, presidente do Conass
Reprodução/ Conass
Carlos Lula, presidente do Conass


O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) enviou um ofício ao Ministério da Saúde em que pede o reconhecimento de que o Brasil enfrenta uma nova onda de Covid-19. O pleito foi feito nesta quarta-feira (12), em texto assinado pelo presidente da entidade e secretário de Saúde do Maranhão, Carlos Lula.


"O Conass acredita que o crescimento de casos, impulsionado pela nova variante, volta a impor desafios aos sistemas de saúde público e privado do país. Destaca-se que, mesmo com a suspeita da menor gravidade, com a alta transmissão aumentam as chances de hospitalização, principalmente na população sem esquema vacinal completo", aponta o Conass no ofício.


O conselho pontua que no dia 2 de janeiro, dados disponibilizados pelo Painel Conass, indicaram a notificação de 1.721 novos casos de Covid-19. Já no último domingo (9), uma semana depois, 24.382 casos foram registrados no país - um aumento que ultrapassa a marca de 300% .

Leia Também


"Sendo a Ômicron mais transmissível e responsável pelo aumento de pacientes com sintomas leves, os serviços ambulatoriais estarão pressionados por quadros clínicos que exigem testagem imediata, prescrição médica e emissão de atestados para o devido isolamento dos positivos. Em países onde a nova variante já impacta em recordes de casos leves, a rede hospitalar também já se encontra pressionada por casos graves, principalmente em pacientes não-vacinados, incluindo as crianças", diz o Conass.


Diante dessas informações, o conselho listou uma série de pedidos. Confira abaixo:

  • a autorização imediata de funcionamento, nas condições adotadas ao longo do ano de 2021, de toda a rede hospitalar implantada no país para o enfrentamento à Covid-19, não contemplada com a habilitação permanente definida em recente pactuação tripartite, no que tange à internações em leitos clínicos e de terapia intensiva;
  • o aporte de recursos financeiros para abertura, no menor tempo possível, de pontos de testagem em massa para acesso de primeiro contato de toda a população, considerando o aporte de R$ 4,00 (quatro reais) por teste enviado a cada Estado/Município;
  • o posicionamento claro, por parte da Vigilância em Saúde do Ministério, sobre o cancelamento nacional de eventos de carnaval de rua e outros, onde não haja possibilidade de controle de acesso, com a obrigatoriedade de comprovante de vacinação e teste negativo;
  • o monitoramento nacional do potencial de desabastecimento de medicamentos, Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e Kits de Intubação;
  • a imediata deflagração de campanha pela imunização completa de toda a família brasileira, com destaque para a vacinação infantil, de modo a estimular a adesão plena da vacinação de crianças;
  • a inclusão imediata da vacinação de crianças e adolescentes contra a Covid-19 no calendário nacional de vacinação.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários