caixa da coronavac
Governo do Estado de São Paulo/Divulgação
Vacina produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac Biotech


O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, se reuniu com o diretor do Instituto Butantan , Dimas Covas, para acertar a aquisição de doses da vacina chinesa, a CoronaVac , que serão fabricadas pelo instituto. Tanto o Butantan quanto  Doria pressionaram o Governo Federal para que investissem R$1,9 bilhões na vacina da Sinovac, a mesma quantia aplicada no financiamento da vacina de Oxford .


Além de Covas e Pazuello, também participou do encontro o secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn. O investimento de R$ 1,9 bilhões na CoronaVac será utilizada para que 120 milhões de doses sejam produzidas pelo Instituto Butantan .

O valor também será aplicado na finalização dos testes clínicos que garantem a segurança e eficácia da vacina .

O valor será pago em três partes: R$ 85 milhões para o estudo clínico; R$ 60 milhões para apoio na reforma da fábrica; e R$ 1,75 bilhão para a fabricação da vacina, a parte mais custosa de todo procedimento.

"A garantia é exatamente a parceria que existe entre o Butantan e o Ministério. Isso foi reforçado com o ministro. É uma matéria de importância para saúde pública do Brasil", afirmou Covas em coletiva, que não contou com participação de membros do Ministério da Saúde.

    Veja Também

      Mostrar mais