caixa da coronavac
Governo do Estado de São Paulo/Divulgação
Vacina produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac Biotech


O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, se reuniu com o diretor do Instituto Butantan , Dimas Covas, para acertar a aquisição de doses da vacina chinesa, a CoronaVac , que serão fabricadas pelo instituto. Tanto o Butantan quanto  Doria pressionaram o Governo Federal para que investissem R$1,9 bilhões na vacina da Sinovac, a mesma quantia aplicada no financiamento da vacina de Oxford .


Além de Covas e Pazuello, também participou do encontro o secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn. O investimento de R$ 1,9 bilhões na CoronaVac será utilizada para que 120 milhões de doses sejam produzidas pelo Instituto Butantan .

O valor também será aplicado na finalização dos testes clínicos que garantem a segurança e eficácia da vacina .

O valor será pago em três partes: R$ 85 milhões para o estudo clínico; R$ 60 milhões para apoio na reforma da fábrica; e R$ 1,75 bilhão para a fabricação da vacina, a parte mais custosa de todo procedimento.

"A garantia é exatamente a parceria que existe entre o Butantan e o Ministério. Isso foi reforçado com o ministro. É uma matéria de importância para saúde pública do Brasil", afirmou Covas em coletiva, que não contou com participação de membros do Ministério da Saúde.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários